Rascunho versos. Neles, sentimentos.

terça-feira, 10 de julho de 2012

A VELHA PAINEIRA






A velha paineira debruça-se sobre a estrada
expondo raízes num barranco em erosão.
Mas não perde seu encanto:
teima em florir todos os anos.
Seus frutos rebentes
parem sementes,
flocos que se camuflam
no mais puro algodão.
Epífitas pendem de seus galhos,
relação naturalmente mórbida
que devora sua vitalidade
e sensibiliza minha emoção.
Ciente de que, neste jogo,
alguém há de se render,
imploro-te, Natureza Sábia,
permita à paineira sobreviver.

©rosangelaSgoldoni
10 07 2012
RL T 3 770 182
publicado em Fiapos de Lucidez

3 comentários:

  1. Rosângela, acho que estamos sensibilizados e notamos a presença da paineira, fiz também um texto exaltando floradas e pétalas da secular árvore.
    Eis:
    Floradas das Paineiras


    Árvores nativas encantam
    Visual moderno
    Cores e amores mil

    Floradas das paineiras
    A terra em flor
    Proliferam pétalas,
    Vôo de pigmentos
    Colore o chão

    Crescem,
    Abrem semeando
    paina e fruto
    no tempo e vento do outono.

    ResponderExcluir
  2. Agradeço a presença e comentário, COISAS DE ADOLESCENTES!

    ResponderExcluir
  3. Agradeço a presença e comentário, COISAS DE ADOLESCENTES!

    ResponderExcluir

Seu comentário será bem-vindo!