quinta-feira, 21 de novembro de 2019

CORDÃO UMBILICAL



Deitada em seus braços
rompia o cordão umbilical
dos pudores que a imobilizavam até então.
Cansada de inseguranças
entregava-se e
respirava leve
o breve que lhe aprouvera.
Mergulhava de cabeça nas incertezas da vida.
Eram momentos de abandono
pontuados pelos sonhos que ousou desafiar:
uma eternidade na corrida contra o tempo.
Venceu!

©rosangelaSgoldoni
20 11 2019
RL T 6 799 842

quarta-feira, 20 de novembro de 2019

CONVITE



Compartilhando com vocês a alegria de participar desta Antologia organizada por Dyandreia Portugal através da Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil/RJ.
É um trabalho biográfico sobre mulheres que marcaram seu tempo e fizeram História em diversas áreas em prol do país.
A mim coube Luz del Fuego que povoou meu imaginário na adolescência. Era citada por minha mãe com certa reverência.
Além do trabalho biográfico, incluo uma sigela homenagem em forma de poesia que somente no seu tempo será divulgada.
Em resumo:
Luz del Fuego e o “Meu corpo, minhas regras”
Adepta do naturismo e do vegetarianismo, foi uma mulher muito à frente de seu tempo.


domingo, 17 de novembro de 2019

ASAS DE SAUDADES





Mantinha as portas fechadas
mas não ousava confinamentos;
protagonizaram uma bela história
de amor sem arrependimentos.
Ah, momentos,
suspiros,
distanciamentos...
Idas e voltas,
tormentos!
Só eles,
tão sós
em movimento de translação descoordenada,
desordenada pelas razões do não ser.
Se foram,
ainda não entenderam.
Descobrirão
certamente,
mais além.
Saudades e asas
encarregar-se-ão de
impulsionar um novo jogo
além do provável!

©rosangelaSgoldoni
RL T 6 794 274

quinta-feira, 7 de novembro de 2019

ARRUMAÇÃO



Uma freada inesperada sacudiu sua vida.
Estancado no vazio das impossibilidades
o presente demandava por um tempo
sem por quês ou lamentações.
Precisava vislumbrar um futuro acalorado:
desaceleração cercada por cuidados,
afagos,
paciências e
cortinas abertas.
Necessário despertar a luz que dormitava
entre ausências e
falências,
quase escuridão.
Refeito em feixes
numa explosão de sentidos,
o vivido abriu-se ao novo
ao raiar do dia,
estrela fugidia que se revelou.
Futuro presente em sementes de esperança
borrifaram perfumes e essências
no amanhecer distraído.
Acelerou!

©rosangelaSgoldoni
05 01 2019
RL T 6 789 540

sexta-feira, 1 de novembro de 2019

FINAIS E FINADOS



Passei por algumas perdas doídas e doloridas por algum tempo.
Na certeza da emoção (ou missão) cumprida, ao ritual do sepultamento sobreviveu um sentimento de solidão.
A dor foi se afastando e as lembranças me envolvendo.
Percebi que aquele não era um momento final, mas transcendental e foi se acomodando no meu coração.
Por isso não vivo finados ou flores em sepulturas.
Vivo as presenças e lembranças constantes dos que me foram caros.
Visitamo-nos em sonhos e relembramos os cuidados mútuos de então.
Inevitáveis partidas, inevitáveis reencontros.
E segue a vida, mesmo em finados.

©rosangelaSgoldoni
02 11 2019
RL T 6 785 177

FERTILIDADE EM VERSOS



Busco a espontaneidade dos versos
num flertar de olhos,
no alçar voo dum passarinho
ou no bocejar inocente da criança...
Quem sabe, no arfar dum peito em exaustão de amor?
Quero, do sentimento, a cumplicidade!
Busco a serenidade das rimas
além das dissonâncias que me visitam.
Cansei da cadência marcada e vigiada pelos
incrédulos de qualquer emoção,
críticos de plantão e notoriedade.
Quero o poema transitando entre os dedos dos pés...
Terra e fertilidade!

©rosangelaSgoldoni
17 06 2018
RL T 6 784 778

OBRIGAÇÃO X GENTILEZA

Hoje foi assim: ameaça de chuva e ônibus cheio. Não hesitei. Entrei assim mesmo. Os bancos destinados aos idosos ocupados por jov...