Rascunho versos. Neles, sentimentos.

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

ELVIS NÃO MORREU (Humor)


Hoje faz 40 anos que Elvis partiu.
Lembrei-me dum episódio pitoresco ocorrido nos tempos em que trabalhava.
Nos idos dos anos 90 contratamos uma van para nos levar ao show de Roberto Carlos, penso que no Metropolitan, na Barra.
Marcamos para nos buscar na Agência às 21.00h.
Banco fechado, todos concentrados num bar chamado “Garoto”.
Devidamente “calibrados” partimos.
Na volta, mais do que “animados” formos parados por um blitz próximo ao Mirante do Leblon.
A van não estava com os documentos em dia (era de um ex-colega que saiu num PDV e estava recomeçando a vida).
Descemos todos, inclusive o motorista (que não havia bebido).
Duas lúcidas permaneceram: minha mãe e mãe de uma amiga.
Tentando explicar o inexplicável, no maior tumulto, alguém aponta e grita:
‘ELVIS NÃO MORREU”!
Era o nome gravado na farda de um deles.
Desistiram da multa e mandaram seguir.

©rosangelaSgoldoni
16 08 2017

RL T 6 085 803 

domingo, 13 de agosto de 2017

NOVAS SAUDADES QUE NO CÉU DESPONTAM



Cauby subiu. Partiu o coração da Conceição.
Elke, maravilhada, voou maquiada.
Gullar não coube no bolso da morte.
Melodia morreu de amores pelo Estácio.
Belchior despediu-se da latino américa.
Vander Lee foi para onde “Deus pudesse ouvi-lo”;
Dicró deixou a sogra feliz.
Hebe faz gracinhas e troca selinhos com os anjinhos.
Reginaldo, um garçom a chorar.
Chorão não encontrou um lugar ao sol.
Emilio amanheceu em Saigon.

Há um novo palco além da imaginação!

©rosangelaSgoldoni
10 08 2017
RL T 6 082 931

http://rascunhosdarogoldoni.blogspot.com.br/2012/01/minhas-saudades-que-no-ceu-despontam.html

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

NOSSAS ESTRADAS


Desci pela estrada sozinha,
na curva seu olhar me esperava,
o que seria alegria
revelou-se em novo por quê.

Todos percorrem estradas,
as minhas tão viciosas...

Fujo, percorro atalhos,
a vida não quer entender;
faz-me retorno em compasso
aos caminhos que levam a você.

Um dia, quem sabe, um balão,
alcance estradas no céu;
altitude afinal, proteção,
nosso olhar descruzado em paz!


©rosangelaSgoldoni
08 01 2010
RL T 2 775 906
Revisado em 09 08 2017

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

LUZ


Lux,
Fiat!
Reflete sobre o mundo.
Derrama tua Paz!
Envolve-nos em boas energias.


©rosangelaSgoldoni

11 03 2011

RL T 2 842 403  

terça-feira, 1 de agosto de 2017

RAÍZES



Cavando
A
Cova
Profunda
Aprofundo
O
Dom
De
Viver
Na
Profundeza
De
Ser
Humano.
A roseira que nasceu na calçada floriu.

©rosangelaSgoldoni
01 08 2017
RL T 6 071 732

INSPIRAÇÃO
"Cada homem tem a sua parcela de terra para cultivar.
O que é importante é que cave fundo."

José Saramago

sábado, 29 de julho de 2017

A FLOR ESQUECIDA



A flor que você me ofertou,
sem que eu quisesse, brotou.
Ensaiei regá-la e adubá-la.
Triste decisão, não vingou!

Não foi falta de cuidado
a este pequeno regalo.
Foi um simples entregar!

Não tente reanimar
aquilo que não plantou.
Não devo sozinha cuidar
Dum amor que só me enredou.

O pretérito é insistente,
lamentável e consistente!

©rosangelaSgoldoni
30 11 2010

RL T 2 646 675

quarta-feira, 26 de julho de 2017

APARECEU A MARGARIDA...




Faz tempo,
muito tempo...
A dor que m’envolvia
partiu sozinha!

Apareceu a margarida,
Olê, olê, olá...

©rosangelaSgoldoni
26 07 2017
RL T 6 066 076

domingo, 23 de julho de 2017

NAQUELA MADRUGADA DE OUTONO (AVPLP) 2017





Perderam-se pelas madrugada vadias.
Ruas e avenidas pareciam-lhes sem sentido ou direção.
Perambulavam entre os amantes plenos de convívio
- fartavam-se de indiscrição -.
Esparramada sobre aquela noite de outono,
a névoa confidente beirava o encantamento.
Em breve, o seu dissipar revelaria a claridade do dia.
Suas desconexões com a realidade seriam evidenciadas.
Tarde para recuar!
Versos e rimas revelariam sua fome de poesia naquela manhã.
Ensolarados,
o poema deu-se à vida
àqueles que acordavam do sono consentido
em busca de esperança prometida.
Quem sabe um mar de rosas os esperava...

©rosangelaSgoldoni
16 06 2017
RL T 6 062 133



quarta-feira, 19 de julho de 2017

GUERRA EM PAZ INTERIOR


Chuva mansa e intermitente
reflete o asfalto molhado.
Derrapam a vida e o carro.
O condutor segue sem pressa.
Vida em compasso de espera.
Uma rajada de fuzil quebra o silêncio da noite.
Guerra e Paz interior!

©rosangelaSgoldoni
1 9 07 2017

RL T 6 058 900

terça-feira, 18 de julho de 2017

CATARATAS


Véu que se descerra sobre o cristal.
Idade embaçada,
cataratas que deságuam nas imagens
desgastadas pelo tempo:
ventos contrários
ou
a favor.
Sobre técnicas
tudo se renova:
há um novo cristalino  dentro de mim.

©rosangelaSgoldoni
18 07 2017
RL T 6 058 508

segunda-feira, 17 de julho de 2017

(IN)DISCRETA CLARIDADE


O sol espelha-se no parapeito de vidro da varanda
do outro lado da rua.
Cerro os olhos incomodados com a excessiva claridade.
Tudo se faz vermelho no percurso dos vasos projetados,
sanguíneos corredores trilhados à sombra
da realidade transformada.
O ser vivo,
consciente de sua essência humana,
cósmica partícula numa engrenagem divina,
agradece ao Criador.
O sol segue o seu curso...
Foi-se espelhar noutras varandas.
Aqui
ou
do outro lado da rua,
a vida segue em discreta claridade.

©rosangelaSgoldoni
07 07 2017

RL T 6 056 275

sexta-feira, 14 de julho de 2017

DAMA DE FERRO



No blefe da vida
a carta não erro.
Decido a partida:
sou dama de ferro.

©rosangelaSgoldoni
26 10 2010

RL T 2 697 279

O QUE DEIXAMOS DE VIVER (LAMENTOS)



Lamento o que não fomos,
o que deixamos de viver.
Impossível um novo encontro
nosso tempo deixou de ser.

Lamento os beijos roubados,
furtivos mas consentidos;
mais um tanto de abraços
em distância convertidos.

Lamento o que trago em meu peito,
ainda estou a sofrer;
mas é certo, reaprendo,
buscando um novo prazer!

©rosangelaSgoldoni
23 11 2010
RL T T2 675 411

domingo, 9 de julho de 2017

ANOS QUASE DOURADOS




Contam que os dias eram assim.
Eu os vivi e disso bem sei.
Namorado no portão,
um amasso no cinema,
“corridas de submarino”.
Depois das vinte e três, nem pensar:
entrar e deitar no sofá!
Bailinhos na varanda embalados a Cuba Libre.
Guitarras.
Rock, bossa nova, jovem guarda, tropicália,
festival!
Biquíni e minissaia.
Ninguém confiava em “ninguém com mais de trinta anos” (*1)
A banda passou...

Apesar da ingenuidade que se perdia
alguns percebiam os gritos ecoados dos porões.
Mas isso é uma outra História que
“não cabe neste poema”. (*2)

(*1) Compositor: Marcos Valle & Paulo Sergio Valle
(*2) Não há vagas Ferreira Gullar

©rosangelaSgoldoni
09 07 2017
RL T 6 050 291

sexta-feira, 7 de julho de 2017

LUA EM NOITE DE INVERNO


Sem eira nem beira,
despida de telhados,
faz sua ronda plena de si.
Transbordando em luz,
aquece esta noite de inverno.

foto e texto
©rosangelaSgoldoni
07 07 2017

RL T 6 048 617

sexta-feira, 30 de junho de 2017

POEMA INERTE



O verso brinca de esconde-esconde
na tela do computador.
Tento descobri-lo nas pautas de um caderno que repousa ao lado.
Nada de novo nos recantos da inspiração.
Será que tudo já foi dito e sentido?
Emoções esgotadas?
Pobre poeta que reflete no olhar a tristeza do poema inerte.

©rosangelaSgoldoni
22 06 2017

RL T 6 041 983

quarta-feira, 21 de junho de 2017

CHUVAS


Pode ser uma queda em plumas
ou desabar impiedoso aos meus pés.
Pode ser breve tal um cometa
ou persistir sem questionar seu revés.
Pode ser fonte de ganho e de vida
ou desabrigo, tristeza e desolação.

Chuvas que vem e vão!

©rosangelaSgoldoni
21 06 2017

RL T 6 033 980

terça-feira, 20 de junho de 2017

INCÕMODO


Não queira que corresponda
ao que eu não posso prometer;
só preciso encontrá-lo
e algumas verdades dizer.

Mas verdade não é seu forte,
argumentos não sabe ouvir,
não tem estrutura ou suporte,
prefere de mim fugir.

Não preciso mais do seu colo,
voltei normalmente a dormir;
é certo ainda o incomodo,
demonstra seu jeito de agir.

Fique com seu mundinho disforme
pus o meu a reconstruir.

Rogoldoni
16 11 2011

RL T 6 032 440

quinta-feira, 15 de junho de 2017

FRAGMENTANDO EMOÇÕES


Face a uma ideia insana
outra me seduziu:
racionalizar a emoção:
a terapeuta sorriu.
Claro, também sorri,
do absurdo que proferi.
 
Uma exposição
sem fundamento ou lógica;
na verdade surrealista
era a minha proposta.
Contra argumentei
fragmentando emoções.
 
Pinceladas de traços fortes
compõem a minha vida;
sou totalmente Van Gogh,
o conjunto é harmonia;
não ligo ou me abalo
se não sou compreendida.
 
©rosangelaSgoldoni
05 07 2011

RL T 3 204 913

segunda-feira, 12 de junho de 2017

VIDA A DOIS


CONVITE


TEMPOS E (IM)PACIÊNCIAS



Foi-se o tempo do pouco tempo,
dos relógios e seus ponteiros
a controlar-me sem compaixão.
 
Uma corrida desleal!
 
Não havia espaço pra erros,
acumulavam-se sonhos e segredos,
funções e medos reais.
 
Tempos de tempo integral!
 
Meu tempo de hoje é sobra
que me devora por fora
e desacelera os  pensamentos.
 
(Im)paciências de vida!
 

©rosangelaSgoldoni
21 05 2017
RL T 6 024 351

sábado, 10 de junho de 2017

ETERNIZANDO SENSAÇÕES


O que sente um coração
só versos podem expressar,
a mais singela emoção,
neles permitem-se eternizar.


©rosangelaSgoldoni
26 10 2010
RL T 2 580 792

sexta-feira, 9 de junho de 2017

PRECEITOS


Hoje: sei que não posso!
Amanhã: sei que não devo!
Depois de amanhã: de tudo me esqueço!

©rosangelaSgoldoni
22 01 2011

RL T 2 746 288

domingo, 4 de junho de 2017

O BOTO E SANTO ANTONIO




O boto com seu chapéu
em festa de Santo Antônio,
à  moça encanta e, sem véus,
no mar deposita os seus sonhos.

A vitória-régia sorri em flores!

©rosangelaSgoldoni
04 06 2017

RL T 6 018 566

sexta-feira, 2 de junho de 2017

O CAMINHO DAS NUVENS



A palavra engasgou-se antes que
a última página fosse virada,
a derradeira pedra se encontrasse selada,
o último suspiro não fizesse mais sentido
Pegou carona numa nuvem que desfilava ao acaso
certa do desembarque  nos domínios do Senhor!
A palavra envolveu-se num manto de lágrimas.

Para a amiga Ana Maria que nos deixou no dia 31 05 2017

©rosangelaSgoldoni
02 06 2017
RL T 6 016 875

segunda-feira, 29 de maio de 2017

LUNAR



Uma vírgula desmaia nos braços da mata.
Pausa crescente para reflexões.

©rosangelaSgoldoni
foto e texto
29 05 2017
RL 6 013 148


domingo, 28 de maio de 2017

ALMOÇOS E DOMINGOS





Lembrei-me das empadinhas em formas de alumínio,
talharim aberto na tábua com garrafas vazias.
Manjericão e pesto no pão,
sarapatel quentinho,
siri (por ele pescado), cozido na panela.
Jló  frito no azeite.
Hoje tem dobradinha!
Pulava de alegria...
Meu pai cozinheiro aos domingos.
Sobremesas à minha mãe.
Laranja da terra
ou
cajá
em caldas.
Arroz doce.
Tudo muito simples,
muito especial,
até mesmo a galinha que matava no quintal
(domingos em que a cozinha era sua).

Hoje preparei meu almoço lembrando- me daqueles dias!

©rosangelaSgoldoni
28 05 2017
RL T 6 012 204


quinta-feira, 25 de maio de 2017

BORBOLETAS E INQUIETAÇÕES



Borboleta amarela,
tão leve,
tão breve,
leva um pouco de poesia aos brutos de coração,
Insensíveis de todas as ordens.
Abre o sol das suas asas antes que a noite
se eternize em escuridão.
Há os que também se alimentam do brilho das estrelas!

©rosangelaSgoldoni
25 05 2017

RL T 6 009 515

sexta-feira, 19 de maio de 2017

CHUVA, FRIO E CAFÉ


CHUVA, FRIO E CAFÉ

Chuva a cair lá fora,
frio a machucar por dentro.
Cinza que o céu decora,
das flores eu me alimento.

Um café me reconforta!

©rosangelaSgoldoni
19 05 2017
RL T 6 003 943

quarta-feira, 17 de maio de 2017

À DERIVA



Atendendo aos teus apelos
fiz coisas que até Deus duvida;
desfeitos os nós do novelo
observo-te ao longe, à deriva.

©rosangelaSgoldoni
15 08 2012
RL T 3 854 204