Rascunho versos. Neles, sentimentos.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

GUERRA EM PAZ INTERIOR


Chuva mansa e intermitente
reflete o asfalto molhado.
Derrapam a vida e o carro.
O condutor segue sem pressa.
Vida em compasso de espera.
Uma rajada de fuzil quebra o silêncio da noite.
Guerra e Paz interior!

©rosangelaSgoldoni
1 9 07 2017

RL T 6 058 900

terça-feira, 18 de julho de 2017

CATARATAS


Véu que se descerra sobre o cristal.
Idade embaçada,
cataratas que deságuam nas imagens
desgastadas pelo tempo:
ventos contrários
ou
a favor.
Sobre técnicas
tudo se renova:
há um novo cristalino  dentro de mim.

©rosangelaSgoldoni
18 07 2017
RL T 6 058 508

segunda-feira, 17 de julho de 2017

(IN)DISCRETA CLARIDADE


O sol espelha-se no parapeito de vidro da varanda
do outro lado da rua.
Cerro os olhos incomodados com a excessiva claridade.
Tudo se faz vermelho no percurso dos vasos projetados,
sanguíneos corredores trilhados à sombra
da realidade transformada.
O ser vivo,
consciente de sua essência humana,
cósmica partícula numa engrenagem divina,
agradece ao Criador.
O sol segue o seu curso...
Foi-se espelhar noutras varandas.
Aqui
ou
do outro lado da rua,
a vida segue em discreta claridade.

©rosangelaSgoldoni
07 07 2017

RL T 6 056 275

sexta-feira, 14 de julho de 2017

DAMA DE FERRO



No blefe da vida
a carta não erro.
Decido a partida:
sou dama de ferro.

©rosangelaSgoldoni
26 10 2010

RL T 2 697 279

O QUE DEIXAMOS DE VIVER (LAMENTOS)



Lamento o que não fomos,
o que deixamos de viver.
Impossível um novo encontro
nosso tempo deixou de ser.

Lamento os beijos roubados,
furtivos mas consentidos;
mais um tanto de abraços
em distância convertidos.

Lamento o que trago em meu peito,
ainda estou a sofrer;
mas é certo, reaprendo,
buscando um novo prazer!

©rosangelaSgoldoni
23 11 2010
RL T T2 675 411

domingo, 9 de julho de 2017

ANOS QUASE DOURADOS




Contam que os dias eram assim.
Eu os vivi e disso bem sei.
Namorado no portão,
um amasso no cinema,
“corridas de submarino”.
Depois das vinte e três, nem pensar:
entrar e deitar no sofá!
Bailinhos na varanda embalados a Cuba Libre.
Guitarras.
Rock, bossa nova, jovem guarda, tropicália,
festival!
Biquíni e minissaia.
Ninguém confiava em “ninguém com mais de trinta anos” (*1)
A banda passou...

Apesar da ingenuidade que se perdia
alguns percebiam os gritos ecoados dos porões.
Mas isso é uma outra História que
“não cabe neste poema”. (*2)

(*1) Compositor: Marcos Valle & Paulo Sergio Valle
(*2) Não há vagas Ferreira Gullar

©rosangelaSgoldoni
09 07 2017
RL T 6 050 291

sexta-feira, 7 de julho de 2017

LUA EM NOITE DE INVERNO


Sem eira nem beira,
despida de telhados,
faz sua ronda plena de si.
Transbordando em luz,
aquece esta noite de inverno.

foto e texto
©rosangelaSgoldoni
07 07 2017

RL T 6 048 617