Rascunho versos. Neles, sentimentos.

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

JUNTOS POR 2018



Bom dia!
Estou chegando!
Serei recebido com fogos e,
no calendário,
sou um novo ano.
Acompanham-me a esperança do mundo,
a fé dos crédulos
e o tempo
que me consumirá nos próximos doze meses.
Convido-os para me acompanhar
nesta nova contagem
(nem sempre agradável mas celebrada a cada amanhecer).
Quem sabe
o caminhar juntos nos conduzirá a um mundo de
igualdade,
respeito
e
sensatez?

©rosangelaSgoldoni
24 12 2017
RL T 6 209 318

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

UMA NOVA ERA


Manjedoura.
Maria e José.
A grande luz desponta no horizonte.
Ilumina-se uma nova era.
Nasceu Jesus!

©rosangelaSgoldoni
09 12 2017

RL T 6 203 469

sábado, 16 de dezembro de 2017

AGRADECIMENTO




SIMPLES E NATURAL




Desastrosos são os caminhos do preconceito.
Maldosas,
capciosas verdades
erguidas numa bandeira
inflamada de falsidades.
Fincadas em solo árido,
desertificam compaixões,
alimentam ódios e cisões
em movimentações subterrâneas.
Extemporâneos,
não se submetem ao pensar contemporâneo.
Arrastam-se pelas cavernas à espera
do ataque aos desprevenidos.
Reação:
indignação,
claridade,
entendimento,
respeito.
Simples e natural!

©rosangelaSgoldoni
15 12 2017
RL T 6 200 487

sábado, 9 de dezembro de 2017

RAZÃO E PAIXÃO


Os limites entre o azul e o cinza
transformam-se em
poças,
piscinas
bordas cristalinas,
pingos de chuva
quase salinas,
lágrimas abissais...
Em cada esquina do firmamento
há um sonho,
um cismar
de amor eterno
em
adolescente reclusão.
Paixão,
mergulho além da razão.

©rosangelaSgoldoni
06 12 2017

RL T 6 194 823

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

PÃO NOSSO (CONCURSO EM HOMENAGEM A FERREIRA GULLAR)


Vento que venta inverno
bate janela,
destrava tramela,
escorrega  pelo corrimão
da ansiedade.
Assustados,
os degraus gemem de frio;
a cama em arrepios
recobre-se  edredom.
O sono,
sem pestanejar,
rodeia  a luminária
num voo cego de cansaço.
Alguns versos carentes de sentido
aconchegam-se na mente do poeta.
Recolhidos com avidez
formata-se  em poema.

Seu pão de cada dia

adormece saciado sobre o balcão da escrivaninha.

Menção honrosa no Concurso em Homenagem a Ferreira Gullar promovido pela Poemas à Flor da Pele 2017.
Todos os textos concorrentes foram publicados em livreto pela Editora Somar.


sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

ANOITECENDO PRIMAVERA



A primavera entardece ao som intermitente da cigarra.
O canto vai se apagando ao cair da noite.
No escuro,
meus sonhos ainda brilham na dança dos vagalumes.

©rosangelaSgoldoni
28 11 2017

RL T 6 187 770