quinta-feira, 26 de março de 2020

VERSOS PANDÊMICOS




Sem respeitar fronteiras,
fraciona vida e morte em lotes de horror.
Separadas por tubos e muros,
famílias se desencontram por amor.
Unem-se as mãos em solidariedade e esperança.
Um ciclo de fraternidade aguarda os sobreviventes.
Assim será!

©rosangelaSgoldoni
26 03 2020 Niterói, RJ
RL T 6 898 146

sábado, 21 de março de 2020

CANTA, ITÁLIA!




Peixes, cisnes e golfinhos
voltam a circular pelos canais de Veneza.
Foram-se os plásticos turísticos
e o lodo sedimentado.

O cenário transmite sintonia e beleza
mas na tristeza das cidades impera o silêncio soberano.
Apenas o cantar plangente dos corações sobreviventes.

O homem curva-se à iminência da morte
nos hospitais da Lombardia
ao último ressonar de um respirador.

Falta equilíbrio ao ponderado da vida?

O racional mundial a criticar-se exclama:
repensemos nossas interações com a natureza maestrina,
urge reinventar-se o HUMANO em sagrada comunhão.

©rosangelaSgoldoni
21 03 2020
RL T 6 893 718

terça-feira, 17 de março de 2020

COROAS E CORONAS



A coroa gira
na culatra da vida
em qualquer direção.
Mas há uma predileção por idosos,
cardíacos,
diabéticos em potencial doçura,
fumantes,
pneumococos
no entrever do viver.
O vírus se espalha.
Será que os diabéticos comem doce escondido no céu?

17 03 2020
©rosangelaSgoldoni
RL T 6 890 360

sábado, 14 de março de 2020

CORONAVIRUS, UMA PEQUENA REFLEXÃO




Pensar sobre a vida é um hábito antigo praticado desde criança.
Talvez influência da leitura e do espírito de observação.
Uma reflexão sobre este momento de vida, sem traumas e independente das energias (que sempre serão de boa vontade).
Um avião parado... quantos parados no mundo?
Em média 137 funcionários parados por aeronave (do piloto aos motoristas de transporte de malas e abastecimento).
Aeroportos possuem comércio como lojas, lanchonetes e restaurantes por onde circulavam pessoas. Hoje os corredores estão vazios.
Quarentenas e trabalho. Escolas fechadas por precaução.
E os filhos? Avós... inúmeras avaliações até uma conclusão.
Países com suas fronteiras, restaurantes e bares fechados.
E o emprego, como fica?
Não falo de Brasil. Penso no mundo.
Precisamos conter o surto, dizem as autoridades.
Nós, coletivo, primeira pessoa do plural.
Que cada cidadão do mundo entenda a sua parte nesta cadeia de sobrevivência.

Rogoldoni
15 03 2020

RL T 6 888 159

quinta-feira, 12 de março de 2020

VERÃO EM TRANSE



Verão em transe de outono
reveste-se de dourado no
entardecer da vida!
O canto da cigarra ao longe
embala o anoitecer em chamas
recolhe-se ao deitar o dia.
Chama que se se esvai em prantos
a reclamar espantos
do inverno a se aproximar!

©rosangelaSgoldoni
10 03 2020
RL T 6 886 710

sábado, 7 de março de 2020

O DESPERTAR DA PRINCESA




Sonhava beijos, afagos
e um príncipe que não precisava ser encantado.
Proteção e respeito
bem a seu jeito de menina educada,
preparada para a casa e feminina lua.
Tensa, entregou-se à primeira ofensa.
 - Nada além do que um descuido verbal.
Natural, pensou.
Desculpou a bebida exagero,
coisas do desespero
e medo de ficar só.
Oh dó!
No leito dum hospital
deu-se conta de que a flor aberta às costas
era um furo de faca
que o NÃO PRÍNCIPE ali cravou.
Sarou!
Acordou a tempo de lavar sua alma,
enxaguar a autoestima,
passar a limpo o seu presente.
Hoje, cabeça erguida,
a mulher que se cuida e exige respeito,
caminha ao lado,
seja o direito ou esquerdo,
do homem que couber nas suas nas suas novas medidas.
Amanhece princesa num conto de vida.

©rosangelaSgoldoni
06 03 2020
RL T 6 882 673

quarta-feira, 4 de março de 2020

AMANTES E AMADOS



Além do mar,
das tormentas,
sofrências e maledicências,
existe um amor resistência
sob o olhar do perdão incondicional.
Sobrevive com esperanças,
abraços e desejos latentes,
olhares incandescentes,
alimentam-se em comunhão.
Amantes e amados
replicam o canto sagrado em
frisson do amanhecer.

©rosangelaSgoldoni
04 02 2020
RL T 6 880 497

MEMÓRIAS E INFÂNCIAS

Brigou pelo não ser enquanto subia em direção ao estômago da mãe. Talvez pretendesse esquivar-se da luz que a aguardava. Não ad...