Rascunho versos. Neles, sentimentos.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

FÚRIA DAS ÁGUAS





Chuva anunciada
desembestada,
cega meus olhos,
triste aluvião.

Destrói sonhos,
apaga memórias
destrói casas,
não tem compaixão.

Procuro entender
a fúria das águas,
antes de março,
início verão.

Percebi: são lágrimas,
exacerbadas
por tantos maus tratos
a cada estação.

Mãe Terra devolve
com fogo e água,
tremores em escala,
sua devastação.

Que possamos atentar
a estes lamentos
uma forma eloqüente
de exortação!


©rosangelaSgoldoni
02 01 2012
RL T 3 419 127

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será bem-vindo!