Rascunho versos. Neles, sentimentos.

domingo, 22 de janeiro de 2012

LUA ESPARRAMADA


Há dias em que a lua 
cheia de atrevimento,
sequer pede licença:
invade minha varanda,
esparrama-se pelo chão.

Observo, ali, parada,
completamente extasiada,
relembro a velha canção:
mas “de rondas”, hoje não!

Tento costurar versos:
uso as linhas do horizonte.
Os pontos se dispersam
à cata de uma nebulosa,
aquelas, de reflexão.

O poema um tanto assustado,
recolhe-se ensimesmado,
recluso-me sem inspiração.
Quem sabe, amanhã, um bordado,
com alguns raios prateados,
respinguem das minhas mãos.


©rosangelaSgoldoni
23 01 2012
RL T 3 456 220











6 comentários:

  1. Maravilhoso minha amiga! Nota dez, lindíssimo.

    Naldo Velho

    ResponderExcluir
  2. Como sempre, adoro seus poemas...

    ResponderExcluir
  3. Carmen Lins de Carvalho26 de janeiro de 2012 11:16

    Que lindo este poema!

    ResponderExcluir
  4. Carmen Lins de Carvalho28 de janeiro de 2012 05:15

    A saudade aperta ouvindo Noche de ronda! Tempos que não voltam mas ficam na memória.

    ResponderExcluir
  5. Sempre obrigada, Carmen, pela presença e comentários.

    ResponderExcluir

Seu comentário será bem-vindo!