Rascunho versos. Neles, sentimentos.

domingo, 18 de dezembro de 2011

O NADA EVIDENTE




Olho para o nada a minha frente,
o nada evidente
que me embaça a visão.

Vislumbro nuvens pesadas,
árvores sonadas,
verdejantes ilusões.

A cerveja me faz companhia
no bar da estrada,
caneta à mão.

Lembrei-me dos lenços na bolsa:
higienizo as lentes,
recupero meu chão.

Agora o nada é tudo,
paisagem focada
visão ampliada,
meus olhos, o mundo!


©rosangelaSgoldoni
16 12 2011
RL T 3 394 942

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será bem-vindo!