Rascunho versos. Neles, sentimentos.

domingo, 24 de junho de 2012

MADUREIRA: UM CLIMA DE PURA EMOÇÃO




 Revejo os subúrbios da minha infância.
Tempos em que se andava de trem com dignidade.
Ou mais longe: o bonde do Largo de São Francisco, sim aqui no Rio!
Meu destino, à época, Bento Ribeiro.
Hoje, Madureira.
A música também tem espaço:
”Divertir-se em Madureira,
Não existe a Cantareira,
E eu moro em Niterói!”
O ônibus emerge de um mergulhão em direção a viadutos e curvas perigosas:
apresenta-se um novo mundo.
Maracanã em obras, claro, chegando a Copa.
Margeamos a linha do trem.
O trem da Central do Brasil, que não é ficção, mas, realidade histórica.
Observo casas, comércios, pessoas.
Gente simples sorrindo não sei para quem.
Ruas estreitas, sem avenidas ou alamedas.
Chegamos ao Méier.
Alguns apartamentos de porte: gente de sorte!
Mais curvas e um calor abrasador.
Abro a janela. Refresco-me na Dias da Cruz.
No Engenho de Dentro, muitas pedras e vegetação rasteira, alguns tufos reproduzem a mata.
Quintino, terra do Zico.
Enfim, Madureira!
Ainda existem pessoas sentadas nas cadeiras em calçadas, tal Chico cantou.
Em cada esquina, batucada;
gente sambando e cervejada,
um clima de boa intenção:
paira no ar a inocência
dos que cultivam a emoção.

©rosangelaSgoldoni
24 06 2012
RL T 3 742 966
Em homenagem a Sinhá Rosinha, de Madureira.
Com os meus agradecimentos.
Publicado na Antologia Poemas à Flor da Pele 2013


2 comentários:

  1. Carmen lins de Carvalho27 de junho de 2012 20:07

    A zona Norte do Rio! Baixou uma saudade em mim, que conheci todos esses lugares. Amei

    ResponderExcluir
  2. Pois veja que era uma festa junina em casa de Poeta, com presenças do Rio, Niterói, Porto Alegre, Natal e Brasília.
    E rever o subúrbio foi uma experiência e tanto!

    ResponderExcluir

Seu comentário será bem-vindo!