Rascunho versos. Neles, sentimentos.

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

RESULTADO DO CONCURSO 10 ANOS POEMAS À FLOR DA PELE




“CONCURSO CELEBRAÇÃO 10 ANOS POEMAS À FLOR DA PELE”

Feliz e honrada com a Menção.
Parabéns a todos!
rosangelaSgoldoni

por e-mail:
A Presidente da “Associação Poemas à Flor da Pele”, Soninha Porto, no uso de suas atribuições, informa o resultado do Concurso Celebração 10 Anos Poemas à Flor da Pele”.

RESULTADO FINAL:

1º Lugar: 
Álvaro Luiz Cardoso – Outras Madalenas

Outras Madalenas

Outras Madalenas virão
Arrependidas ou não
Outras Helenas, Ivetes e Marias
Passarão por estas ruas devassas
E serão bebidas nas taças
E serão comidas nas praças
Com sofreguidão.
Outras Madalenas virão
Com suas costas largas
Propícias às descargas da raça.
Enquanto houver desejo, cachaça e grana
Nunca será de graça
Alguém será sacana.
A lascívia exposta como uma fratura
Sorvendo a dor do mundo pela rachadura
Vítima do escárnio da estrutura corrosiva
Do jugo monetário e sua Fúria
Do vício e do asco da Luxúria.
Então, quem atira a primeira pedra?
Então, quem dispõe de uma moeda?
Então, quem vai se coroar “O Impoluto”
Com o estatuto da moral se enfiando
Bem no meio do assunto?
Onde houver Luxúria, Cachaça e Grana
Alguém haverá de ser sacana!
Outras Madalenas virão
Arrependidas ou não
Outras Helenas, Ivetes e Marias
Passarão por estas ruas devassas
E serão bebidas nas taças
E serão comidas nas praças
Com sofreguidão.
Outras Madalenas virão
Outras de outros nexos
Outras Marias, Juremas, Ernestos, Joaquins
Alexias, Rogérias, Blanches e Graças
E serão bebidas nas taças
E serão comidas nas praças
Com sofreguidão


Pseudônimo: Faustino D'León


2º Lugar
Ana Luiza Conceição - A poesia anda solta

A poesia anda solta

A poesia anda solta 
fazendo baderna 
encostada nos muros 
da beira do caís 
Discursa nas praças 
cochicha nos bares 
estampa os jornais 
A poesia anda louca 
fugindo dos poetas 
que a seguem irrequietos
Cansada do tédio 
a poesia quer ... mais!

Pseudônimo: Gaia

3º Lugar: 
Carla De Sà Morais – Esvoaçar
 

Esvoaçar


Verei o mar dos meus terraços

Na chegada das noites tristes ou risonhas
Despir-me-ei em desabafos dos meus segredos
No silêncio das tempestades medonhas
Quando nuvens cinzentas conspirarão enredos
Do romance das cortinas de seda
e do vento que entra sem pedir licença
Aproveitarei esse esvoaçar
para me enrolar no teu corpo doce
Apagarei a dor da convalescença
Renunciarei aos meus cansaços
Para que o amor na noite se esboce



Pseudônimo: china

MENÇÃO HONROSA:

Amélia Luz – E por falar em Maria
Ana Luiza Conceição – Surreal

Arahilda Gomes – Devaneio
Soninha Athayde – Divisão


Jania Souza - Quando pari-se o Poema


​​
Ana Luiza Almeida Ferro – Quando e o Gigante do largo dos amores

rosangelaSgoldoni  Notas de bergamota
Marcia Etelli – A paixão dispara o amor vibra
Gondar – O amor
Tema Moreira – Necessariamente
Ubiratã Soares – Matutino

Elaine Maria Goulart Nunes - Monalisa


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será bem-vindo!