Rascunho versos. Neles, sentimentos.

terça-feira, 30 de abril de 2013

ORAÇÃO DA MÃE QUE ENVELHECE




Senhor Jesus
Agradeço pelos filhos criados
com carinho, amor e honradez,
outorgando-lhes independência na vida,
autossuficiência na lida,
e respeito ao Deus Criador.
Tendo sido filha amorosa,
aos meus pais,
sempre um dedo de prosa,
prontidão ao alcance das mãos.
Esta mãe que agora envelhece,
vem rogar em forma de prece,
que não seja um fardo pesado;
quem já foi colo necessário
não espera nem cobra amor.

 ©rosangelaSgoldoni
30 04 2013
RL T 4 267 276


BRINCANDO EM CORES






Criança que brinca em cores
amanhece arco-íris,
envolta em sete matizes
ciranda de sonhos a jogar.

Roda, criança, sem pressa,
a magia da vida é uma festa,
regida por tuas mãos.

Faz dos pincéis a batuta,
colhe da fruta madura,
é tempo de diversão.

Criança que brinca em cores
amanhece arco-íris!

©rosangelaSgoldoni
30 04 2013
RL T 4 266 387

segunda-feira, 29 de abril de 2013

CONSTRUINDO UM ARCO-ÍRIS INTERIOR



O dia recepcionou-me vestindo cinza.
Mas o verde era tão intenso que me tranquilizou.
Uma blusa azul alimentou minhas esperanças:
precisava de cores.
Com o olhar, esquadrinhei o jardim.
Flores de laranjeiras prontas para um bouquet.
Folhagens vermelhas a se exibir.
Amoras sobre a grama, roxas e suculentas,
atraiam pássaros.
Lilases hortências e amarelos em pingos de ouro
exibem-se sem decoro.

Cobri-me de certezas:
construí um arco-íris interior.

©rosangelaSgoldoni
09 11 2012
RL T 4 265 557


quinta-feira, 25 de abril de 2013

DOCE DEMAIS ENJOA




Te evitei.
Calculadamente,
te evitei.
Não que estivesse indiferente,
antes,
prudente
face
aos sabores
que provamos
ao longos dos anos.
Sabores extremados:
do amargo ao adocicado.
Perdemo-nos na dosagem,
não sei se por fantasia
ou por falta de coragem.
Te evitei:
doce demais enjoa!
Amargo?
meu paladar não perdoa!

©rosangelaSgoldoni
16 02 2013
RL T 4 258 760

domingo, 21 de abril de 2013

AGRADOS




Agrada-me o ton sur ton,
algo, assim, degradé:
seduzem-me estas nuances
que se coadunam com o meu jeito de ser.
Não se trata de prêt-à-porter,
mas de pura convicção:
não sou dada à exposição!
Cores fortes, cores quentes
não são para toda a gente:
momentos de amizade
ou na alcova, amante “al dente”!

©rosangelaSgoldoni
07 04 2013
RL T 4 253 019


quarta-feira, 17 de abril de 2013

RESPINGOS DE SOL



Abro gavetas como quem expõe a alma na janela.
Roupas, papéis, recordações...
Cada peça uma história
formatada na memória
de um disco em rotação:
tempos de vitrola,
alguma tristeza e insatisfação.

Há rosas ressecadas,
desidratadas pela ilusão.
Pedras colecionadas
como se à espera d’uma construção.

Mas o presente estruturado
não se sente envergonhado,
solidifica-se na emoção.

Sem resgates,
pratico o descarte:
tempos modernos de inspiração.
Sachês perfumados,
aromas borrifados:
coleciono respingos
da claridade do sol.

©rosangelaSgoldoni
17 04 2013 
RL T 4 246 518
Poema publicado na Antologia Poemas à Flor da Pele, volume 7, 2013, Editora Somar

segunda-feira, 15 de abril de 2013

CÉU DE BRIGADEIRO





Tudo segue tranquilo,
flutuo em céu de brigadeiro.
Tempestades, quando se avizinham,
permito-me um mau humor passageiro:
afinal, tenho defeitos
e muito a aprimorar.

Estratégia:
uma cartola mágica
de onde saco sorrisos
e alguns versos de plantão.

rosangelaSgoldoni
14 04 2013
RL T 4 242 706

terça-feira, 9 de abril de 2013

VIAJAR É PRECISO




Viajar é preciso!
Se estiver além da realidade,
que seja um sonho recorrente.
De tanto recorrer,
descobri possibilidades palpáveis,
destinos realizáveis
e portas que se abriram ao saber.
Viajar é reciclar a vida,
expurgar fantasmas
e renovar alegorias.

©rosangelaSgoldoni
RL T 4 230 800
08 04 2013

domingo, 7 de abril de 2013

PONTO FINAL



Está difícil
mas, seguro a onda!
Teu mundo é um faz de conta
onde abusas do casual.
Se me contemplas com reticências,
ofereço-te neste poema,
a minha descrença e um ponto final.

©rosangelaSgoldoni
07 04 2013
RL T 4 227 755

quinta-feira, 4 de abril de 2013

MADREPÉROLAS





Brancas energias
protegem-me
contra intenções maliciosas
dos que tentam
me impedir de sorrir.
Meu escudo?
Madrepérolas,
que sorriem comigo
e para mim.


©rosangelaSgoldoni
03 04 2013
T 4 223 498

FELINA MUTAÇÃO




Fêmea,
felina
aparência,
falsa
fragilidade,
camufla-se
deserto
ante
o
macho
sedento
de
paixão!
Ardilosa
mutação!

 ©rosangelaSgoldoni
04 04 2013
RL T 4 222 655

terça-feira, 2 de abril de 2013

CONTEMPLAÇÃO




Fazendo artes, contemplação!
Simplicidade, sofisticação!
Falo de Búzios, a Armação
Que se traduz em inspiração.


rosangelaSgoldoni
28 03 2013
RL T 4 218 758