sábado, 22 de maio de 2021

AO SABOR DO VENTO DE MAIO

 

Bem se lembrava...

Era maio e,

ao sabor do vento,

suas mãos se encontravam

um tanto trêmulas,

surpresas,

apreensivas,

sedentas,

sem entender o que procuravam.

Sofridos e amargurados,

o medo permeava as intenções:

ultrapassava a realidade e

contaminava seus corações.

Amaram-se sem perceber que

o resgate seria breve...

Coisas de um passado não concretizado

ou de um futuro indefinido.

Quem sabe sonhos de uma noite de outono

envolvidos em energias de uma brisa que passou

e os aprisionou às magias de maio.

 

©rosangelaSgoldoni

02 05 2021

RL T 7 261 964


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será bem-vindo!

DORMÊNCIAS

Frio que desperta a insônia, desarruma a cama daquele amor de vez. Destronada a trama, perdeu-se da primavera, não logrou amadurec...