segunda-feira, 30 de novembro de 2020

CAMINHOS E LUAS

 

Atravessei varandas urbanas

sem permissão.

Invadi pensamentos

despertando sonhos

e alimentando ilusões.

Ah,

quanto ao poeta que sonhava acordado,

suspirei versos

sobre o deserto de suas inspirações.

Segui ultrapassando o horizonte

na certeza de que os ciclos se renovam

e todos são fases.

 

©rosangelaSgoldoni

29 11 2020

RL T 7 124 536


quinta-feira, 26 de novembro de 2020

PARA CLARICE LISPECTOR (Parabéns pelos 100 anos de vida em 2020)

 Foto wikipedia


Clara,
Clarice,
Claridade.

Flor de Liz,
às vezes, obscuridade.
Lis altiva e circunspecta.

Pector, onde pulsa uma alma inquieta
que da vida expecta
as mais profundas conclusões,
ou revelações.

Passeia pelos meus versos de mãos dadas com a realidade.

©rosangelaSgoldoni
03 12 2010

RL T 2 650 573


terça-feira, 24 de novembro de 2020

(A)Casos de Amor

 


Caminhavam lado a lado,

passos largos e cansados,

num passado contínuo e distante.

Descuidados e famintos

seguiam no escuro à deriva

do futuro ou previsões.

Sem sobremesas à mesa,

serviam-se de um jantar

à exaustão dos sentidos.

O cintilar do Campari

espelhava suas pulsações,

num entrelaçar das ilusões.

Saciados e refeitos

retomavam seus caminhos:

cada qual para o seu lado,

descompassos não ensaiados,

até que o acaso os revisitasse...

 

©rosangelaSgoldoni

16 11 2020

RL T 7 119 736


quarta-feira, 18 de novembro de 2020

ENCHENTES

 

Transbordo-me sempre que necessário.

Percebi que lágrimas retidas represam artérias.

Prefiro-as livres pela face!

 

©rosangelaSgoldoni

18/11/2020

RL T 7 115 055

quinta-feira, 12 de novembro de 2020

DOS CACOS E MOSAICOS


Conversava consigo mesma

sem intimidades de espelho;

às escondidas da vida,

em busca de paz e sossego.

No sossego entediada

camuflava-se ventanias,

soprava nuvens de prata

brindava à noite, sorria.

Amores vinham e partiam,

outros estabilizavam;

gangorra, balanço e sentidos

a paz e o sossego alcançados.

Do caos e dos cacos

reconstruiu-se em mosaicos.

Iluminada,

repaginou seu paraíso interior.

 

©rosangelaSgoldoni

10 11 2020

RL T 7 109 965


terça-feira, 3 de novembro de 2020

SEU PRIMEIRO AMOR



Cruschs
e
paqueras,
mais que refrigerantes,
amores em platônica adolescência
frequentavam seu imaginário.
Cary Grant a visitava em sonhos
depois dos filmes da sessão da tarde!
Aguardava as férias com ansiedade para revê-lo:
encontros marcados pela sua imaginação.
Seria “O Grande Amor da sua Vida”? *
Acreditava ser “Apenas um coração solitário”! **
“O Solteirão Cobiçado” *** aguçava os seus sentidos.
A inocência acreditava encontrá-lo numa esquina qualquer.
Desiludiu-se ao descobrir que o tempo passara
mais do que o retratado nos filmes.
A ficção era anterior à sua realidade de vida.
Dava-se conta de que o tempo
passava a passos largos da sua idealização.
 
©rosangelaSgoldoni
31 10 2020  
RL T 7 103 471                              

1944 Apenas um coração solitário
1947 O Solteirão Cobiçado
1951 Tarde Demais para Esquecer


DORMÊNCIAS

Frio que desperta a insônia, desarruma a cama daquele amor de vez. Destronada a trama, perdeu-se da primavera, não logrou amadurec...