domingo, 31 de julho de 2011

AMIGOS NÃO SÃO ESQUECIDOS


Amigos que vem  e que vão,
serão sempre muito queridos:
são  fogos de artifício
no céu triste da solidão.
Trazem consigo os vestigios
da mais bela  comunhão:
tempos de amparo e abrigo
partilhados sem obrigação.
Amigos não são esquecidos:
arquivos vivos sempre serão.
©rosangelaSgoldoni
31 07 2011
RL T 3 131 506


O TEMPO E A EXPERIÊNCIA



Penso com certa leveza
que o tempo é abstrato,
se hoje tenho cinquenta,
quer dizer que vivi de fato.

Não falo de qualidade,
falo de experiência
que gera aprendizado
e uma certa paciência.

O futuro é inconsistente

Aguardemos com benevolência.


©rosangelaSgoldoni
28/08/2008
RL T 2 557 358

AINDA SOU PACIÊNCIA




Ontem eu esperei
nem que fosse um breve encontro;
este nosso amor tão antigo
não merece tais desencontros.

Os ponteiros galopam sem rédeas,
absolutamente insanos
e me mantenho em espera
não sei dizer até quando.

Aguardo,
ainda sou paciência,
mas posso ser desistência,
e te descartar dos meus planos.


©rosangelaSgoldoni
21 07 2011
RL T 3 130 339

quinta-feira, 28 de julho de 2011

SUTILEZAS DE UM CORAÇÃO EM CONFLITO



Gostaria de poder dizer:
“Te amo”!
Mas não posso
uma vez que, por princípio,
não minto!
Mas posso dizer:
“Te gosto”
porque na verdade,
é o que sinto.
Sutilezas poéticas
de um coração em
conflito!

©rosangelaSgoldoni
29 07 2011
RL T 3 125 630
Publicado em Poemas `a Flor da PeleAntologia vol. 4 Editora Somar de Porto Alegre



VAN GOGH





Van Gogh me seduziu
desde criança entrigou-me;
seu traço nada gentil
desde então fascinou-me.
Loucura, irreverência, mudança?

Mutilação tão discutida
Demência ou uma briga?
Gauguin do céu que o diga!
Versões para o fato não faltam

sem orelha no Auto-Retrato.
Virginie, a amante e puta..
Vingança?! ... é gente maluca!
Em vão tenta vender seus quadros

Não aceitam ... isto é um escracho.
Mas ninguém ainda entendia
o valor do pós-impressionista.
Para Auvers-sur-Oise mudou-se
Apostando no Dr. Gachet;
num modesto quarto instalou-se
mas a cura ele não vê.
Theo, seu irmão o enganava

dizendo que quadros vendia;
em Paris ninguém se empolgava,
mas dinheiro do irmão recebia.
Hoje lado a lado descansam

irmãos para a eternidade.
Certo é que agora festejam
este exemplo de fraternidade.
Até hoje você me fascina,

seu quarto e seus girassóis,
E o "vagabundo" sublima
a arte que chegou até nós.
Nos deixou um presente fecundo:
a arte mais cara do mundo!


©rosangelaSgoldoni
2009
Ao meu pintor preferido.
RL T 2 551 511

QUEM AVISA AMIGO É


Quando
o bicho
pega,
você
bate
à minha
porta.
Mas,
AVISO:
está na hora de mudar!
A porta tem fechadura,
a janela você não pula .
E
eu?
Vou saindo devagar!
©rosangelaSgoldoni
27 07 2011
RL T 3 125 289

quarta-feira, 27 de julho de 2011

FONTE DO MEU JARDIM





Tanto me pedem,

tanto me exigem,
que resolvi me resguardar:
guardar um pouco de mim.
Assim, não fico com minhas sobras,
não permito que me devorem
serei fonte no meu jardim.

©rosangelaSgoldoni
03 05 2011
RL T 2 945 684

Publicado na Antologia Inspiração em Verso, 2014, Editora Futurama SP

NOSSOS RITUAIS



 Acendemos o cachimbo da paz: 
reiniciamos nossos rituais.
Velas artesanais,
vinho tinto
e tudo o que os é de direito.
Sem culpas ou arrependimentos,
esconderijos ou fingimentos,
nem  a noite para nos proteger:
somos o próprio alvorecer !
©rosangelaSgoldoni
11 07 2011
RL T 3 123 308

terça-feira, 26 de julho de 2011

SAUDADES DE MIM




Hoje não estou para versos.
Poesia nem pensar.
Deslizo pelo universo,
nebulosa em pleno pulsar:
sou poeira em dispersão
indefinida no pensar,
pontilhada em micro frações
que não consigo equacionar!
Amanhã, quem sabe,
outra vez,
possa me reencontrar.


©rosangelaSgoldoni
26 07 2011
RL T 3 120 949
Publicado na Antologia Mulheres Fascinantes Vol. I, 2012, Editora Delicatta, SP

O CALOR DA MINHA CAMA



Você chegou de mansinho,
sei o que veio  buscar:
o calor da minha cama
e a paz que ela pode lhe dar.

Tornamo-nos bichos ferozes,
tanto a compartilhar;
uma atração sem retoques,
esssência rara no ar.

Sem termos horas marcadas
nosso tempo é singular;
só quando você vai embora
fico sozinha a pensar:
se assim a vida o quer,
também quero e assim será!

©rosangelaSgoldoni
22 07 2011
RL T 3 119 982

segunda-feira, 25 de julho de 2011

SOU O CAIS ONDE SEU BARCO ATRACA





Sou sereno na sua vida,

nas madrugas perdidas
quando amenizo sua dor.
Sou cais onde atraca
o seu barco,
quando em naufrágio
perde-se na escuridão.
Sou tudo e não sou nada,
sua tranquilidade almejada
nos momentos de solidão.
E quando tudo se resolve,
 você some,
eu, confusa, sem direção.
Mas, solto, só faz besteira,
de forma tão costumeira
continuo a estender a mão.


©rosangelaSgoldoni
25 07 2011
RL T 3 118 899

CONVERSA FIADA



Recuperei
a alegria
que há dias
me abandonara.
Com ela,
a tristeza,
não quero
conversa-fiada!

©rosangelaSgoldoni
25 07 2011
RL T 3 117 555

Poesia publicada na Antologia "Café com Verso"

2012 SP Editora Delicatta

domingo, 24 de julho de 2011

BRISA DE MAIO



Quero o frescor da brisa de maio
de encontro à minha face.
Tempos de um amor que se perdeu
em pleno apogeu :
paixão em desenlace.
O  encontro
foi  entrega e abandono,
mas a vida não nos entendeu.
Não éramos  prioridade,
sequer houve desgaste,
uma verdade que empalideceu.

Quem sabe,

num futuro inconsistente
nossos caminhos se entrelacem
e voltemos a cavalgar
num passado tão presente.
©rosangelaSgoldoni
07 07 2011
RL T 3 116 629

AGRADECIMENTO DE UM POETA


Eu que nada esperava
dos meus  versos ou poesias
hoje, gratificada,
registram-se ecos d’algumas rimas.

©rosangelaSgoldoni

20 07 2011
RL T 3 116 586



sábado, 23 de julho de 2011

ATÉ BREVE OU NÃO



De repente,
um gosto enxabido
em total desalinho
com o meu coração,
tentando invadir minh’alma,
que se faz de calma
não quer confusão.

Levanto, vou até a janela,

a chuva começa
e eu solidão.

Quisera  

aqui estivesse,
você que me aquece
me abraça e enlouquce,
anula a razão.

É hora de mudar de casa,

pegar a estrada:
na mala saudades.

Eu saio, fecho a porta
não olho para trás.
Até breve ou
não!

©rosangelaSgoldoni
23 07 2011
T 3 114 788

MEU PRAZO DE VALIDADE



Tenho prazos de validade,
não na embalagem,
mas no coração.

Ele finda quando  canso,
não há mais qualquer encanto,
que me prenda à exaustão.

E mudo de cidade,
renovo minha paisagem,
bato pernas até cansar.

Em busca de perspectivas
de uma vida mais colorida
e meu prazo revalidar.

Hoje peguei a estrada,
mais uma vez troquei a casa,
mas não muda o meu coração.

©rosangelaSgoldoni
23 07 2011
RL T 3 114 596

sexta-feira, 22 de julho de 2011

TORÇO POR VOCÊ




Torço pela paz necessária;
que mude seu rumo,
que tenha juízo
e um certo equilíbrio.

Penso na sua luta diária
enfrentando o mundo,
perdido e sem rumo,
dando a cara à tapa.

Peço pelo seu sucesso,
o amor como tema
e agora confesso:
que eu seja o poema.

©rosangelaSgoldoni
04 07 2011
RL T 3 112 768

CAIO PELOS FERNANDOS




Confirmo:
caio pelos Fernandos.
Hoje caí Abreu!

A vida não é avalista,
nem gestora de sonhos;
não é fiel da balança:
o equilibrio é seu!

Desestabilidade é uma questão de gravidade
ou grave sensibilidade.
Apogeu ou perigeu?
O problema continua sendo só seu.


©rosangelaSgoldoni
21 07 2011
RL T 3 110 751

quarta-feira, 20 de julho de 2011

AMIGOS DISPENSAM ADJETIVOS





Não penses que te esqueci,
só porque estás distante;
o carinho que trago no peito
é uma celebração constante.

Você, amigo de agora,
também venho festejar;
participa da minha vida
é motivo para celebrar.

Dispensam adjetivos
os amigos do coração;
sejam da tela ou da vida
trago flores  e a minha emoção!

Feliz Dia do Amigo,
meu respeito e admiração

©rosangelaSgoldoni
20 07 2011
RL T 3 106 338

segunda-feira, 18 de julho de 2011

TAMBÉM PASSEI ...




Enquanto escrevia, ouvia o rádio,
coisa que não me permitia há algum tempo.
Sou cíclica, itinerante, não paro um instante.

As músicas pareciam-me estranhas,
década de 70, 80
e cortavam minhas entranhas.

Cada lembrança adormecida
despertava sem ser convocada,
e isso me incomodava.

Foi quando entendi
que o tempo passara.
A tez enrugada
é testemunha:
também passei!

©rosangelaSgoldoni
19 07 2011
RL T 3 104 026

domingo, 17 de julho de 2011

NOITE DE DOMINGO


Domingo.
Noite!
Camuflo-me esteta.
O verso não vem!

©rosangelaSgoldoni
17 07 2011
RL T 3 101 636

FOGUEIRA DAS VAIDADES




Quando a fogueira das vaidades arde
com furor,
as discussões alcançam volumes sem pudor,
há que se refletir:
melhor nelas não se imiscuir.

Prudência no falar e no ouvir,
evitando palavras ao pressentir
que as chamas têm poder devastador
e as fagulhas só despertam o rancor.

Afaste-se sem ser contemplativo;
escrever somente o que é preciso,
abuse do jargão mediador.

Poetas são escribas sensitivos,
com o tempo aprimoram o estilo,
disseminam seus poemas sem se impor.

©rosangelaSgoldoni
03 07 2011
RL T 3 100 978

sábado, 16 de julho de 2011

FRESCOR ODARA



rosangelaSgoldoni
16 07 2011
R L T 3 099 587

PROVA DOS NOVE



Você disse:
- Eu vou!
Respondi:
- Duvido!
Aguardo a prova dos nove
para entender o que sinto.
Mas antecipo:
não sairá impune
se voltar a brincar comigo.

©rosangelaSgoldoni
16 07 2011
RL T 3 098 983

sexta-feira, 15 de julho de 2011

"A VELHICE PODE SER BELA?"


Deparo-me com um fragmento
de texto da Lya Luft
que transformo numa interrogação.
Preocupa-me esta querela.
Na verdade, o limite de beleza é imposto pelo “eu”.
Quanto a mim, que estou quase a chegar,
não sei o que pensar.
Sem sustos, 58 fiz,
apesar de ainda tentar ser feliz.
Mas sessenta, me desorienta.
E a minha independência?
Meu habeas-corpus,
cassado sem recursos protelatórios?
Aceito embargos à minha declaração,
o que não impedirá que a ação do tempo,
em algum momento,
seja declarada extinta.

©rosangelaSgoldoni
16 07 2011
RL T 3 098 275

DORMÊNCIAS

Frio que desperta a insônia, desarruma a cama daquele amor de vez. Destronada a trama, perdeu-se da primavera, não logrou amadurec...