quinta-feira, 29 de setembro de 2022

UM TOQUE DE RESPEITO

 

UM TOQUE DE RESPEITO

 

Extremos,

distâncias,

relutâncias,

desentendimentos.

A violência vence o toque de respeito.

Armaduras engessam o pensamento.

A mão encolhida, nega-se ao aperto.

O equilíbrio,

à espreita da oportunidade,

monta guarda na esquina da normalidade almejada.

Só o abraço adormecido despertará o coletivo

em sentimentos de solidariedade,

humanidade e celebração fraternal.

Entregas!

 

©rosangelaSgoldoni

RL T 7 617 327

29 09 2022


sexta-feira, 23 de setembro de 2022

VENTOS DE PRIMAVERA



                                        Sem que se desse conta,

permitiu àquele vento de primavera

a entrada pela porta entreaberta

ao profundo do seu coração.

Remexida entre poeiras de saudades e ausências

viveu turbulências emocionais.

Estremecida,

recobrou os sentidos daqueles amores dormentes,

momentos recorrentes,

ternura e cumplicidade.

Acomodou-se no tempo das lembranças,

viveu a felicidade do vento que venta flores,

pétalas e fragrâncias em

alquimias de primavera!

 

©rosangelaSgoldoni

23 09 2022

RL T 7 612 966


quarta-feira, 14 de setembro de 2022

NORMALISTAS, 50 ANOS DEPOIS




Certa vez, conversando com meu pai (talvez contasse 25 anos) ele afirmava:

- há 30 anos atrás ...

Não entendia!

Hoje percebo que 30 anos foi ontem quando, as normalistas avós, agradecem os 50 anos passados. 

Turmas 1, 2, 3, 4 e 5...

Em júbilo, festejamos um rito de passagem ocorrido há 50 anos, rito este compartilhado pelas então professorandas, jovens e sonhadoras, do antigo Instituto de Educação de Niterói, atual Instituto de Educação Professor Ismael Coutinho. Aproximava-se a formatura e as novas responsabilidades inseridas. Expectativas de uma profissão, ansiosas e motivadas pelo sucesso em construção. Isso aconteceu em dezembro de 1970.

Houve perdas durante o curso e aqui prestamos a nossa homenagem a ALINE.......que foi chamada pelo Senhor antes de receber o seu diploma.  

Assim, resgatamos agora um passado de convivência harmoniosa e afetuosa entre alunas, professores, inspetores e direção.

O jogo de vôlei, o pingue-pongue, o queimado, as cadernetas carimbadas, algumas vezes anotadas, nos trazem felizes recordações.

A banda, o canto coral, ensaios e apresentações.

Os desfiles cívicos e as expectativas nos 7 de setembro.

Diplomadas, muitos dos sonhos realizados ou substituídos por novas profissões.

Algumas deixaram o percurso e laboram noutras dimensões.

O grupo nasceu de uma comunhão de saudades e tomou forma no aplicativo da moda. Pré-celebrações e reconhecimentos... Fotos e o nome dos professores refrescam em nossas memórias. 

Minha gratidão a vocês, meninas-senhoras, nossa história!

“Vestimos azul e branco e

ainda trazemos um sorriso franco"

em rugas que resgatam suficiente frescor”.

 

Rosângela de Souza Goldoni

RL T 7605730

Texto iniciado em junho de 2020, finalizado em 18 08 2022.


terça-feira, 6 de setembro de 2022

ELAS E A INDEPENDÊNCIA DO BRASIL


 


Uma revolução exigiu sua volta.

Dom João retorna à condição de rei no seu país.

O filho de João, Pedro, governaria.

Mas Portugal não aceitava aquele Reino Unido,

suas aberturas e um príncipe distante.

Ao retrocesso dos tempos de colônia, resistência!

Fica,

FICO!

Pedro ficou em 9 de janeiro de 1822.

Nas rodas provincianas, a elite sonhava com um Brasil dono de si

(homens influentes conspirando autonomias) e

mulheres a movimentar revoltas na Bahia.

Angélica, abadessa, na Lapa reage à invasão.

Felipa, tropa negra e indígena, revolta em Itaparica.

Quitéria e seus fuzis em Salvador.

Mulheres a sedimentar liberdades

contra o domínio português.

Exércitos e esquadras rechaçados,

um grito, INDEPEDÊNCIA, engasgado.

Leopoldina, a imperatriz decidida,

o conselho liderou.

Discordava da Corte e Pedro entendeu:

era Independência ou Morte e

do Ipiranga, bradou!

A essas mulheres engajadas, nossa melhor História!

 

©rosangelaSgoldoni

05 09 2022

RL T 7 599 890

terça-feira, 30 de agosto de 2022

ENTRE O PASSADO E O PRESENTE




Foram tempos de apreensão!

Entre passado e presente

um abismo de solidão.

Corações aflitos,

reclusos e ávidos de aventuras

declaravam-se apaixonados

pela vida que lhes (so)negava

a oferta do abraço essencial.

Suspiros de saudades,

viagens e consciências

equilibravam-se nas imprudências do apelo emocional.

A distância tornara-se uma constante desafiadora

em momentos de faces mascaradas.

Pandemia que se alastrava em desconforto mundial.

Paixões sufocadas descobriam-se prisioneiras

de suspiros não autorizados pelos

padrões de convivência vigentes.

O bloco dos desmascarados pedia passagem

numa viagem ainda imaginária.

Mais que sonho,

esperanças de uma consciência harmônica e resiliente

a um pretenso estado de normalidade.

 

©rosangelaSgoldoni

17 06 2020       

Revisitada em 06 12 2021

RL T 7594 759


sábado, 27 de agosto de 2022

PAZ ALÉM-SONHOS

 

Olhos de observar jardins deitam-se

à sombra dos manacás floridos,

passeiam pela vida de mãos dadas com o vento

numa viagem além-sonhos de viver.

Energia vital em expansão,

pulmões inflados de certezas;

sorrisos a distribuir gentilezas e prestezas

provocam águas numa circulação profana

a percorrer rios em inundações sentimentais.

Sol e chuva convivem em meio à alforria do

tempo e dos meridianos.

Por trás do mundo,

uma roseira prenha de botões,

festeja o desabrochar das suas rosas

em cachos de juventude e frescor.

Os manacás adormecem

sombreados pela roseira em parto de vida

nessa viagem sem roteiros.

Além-sonhos

reside a paz dos quase mortais.

 

©rosangelaSgoldoni

04 01 2022

RL T 7 586 831


UM TOQUE DE RESPEITO

  UM TOQUE DE RESPEITO   Extremos, distâncias, relutâncias, desentendimentos. A violência vence o toque de respeito. Armaduras...