sexta-feira, 16 de abril de 2021

POEMA SEM CAUSA

 

Nem sempre o poema é feito de asas,

suavidades e delicadezas.

Às vezes o verso encontra-se na trempe de um fogão

ou nas gotas de suor que

circundam a tábua de passar roupas.

Perdidos entre prateleiras do supermercado

ou sonhos da padaria,

tornam-se presas fáceis ao

olhar desprevenido do poeta.

O trabalhador da palavra

ocupa-se em capturá-los

e envolvê-los nalguma estética.

Resiste na boca

a vontade de adoçá-los mas

a vida se encarrega da realidade dos fatos.

Sentimentos desmascarados não usam cosméticos.

 

©rosangelaSgoldoni

24 03 2021

RL T 7 233 832


quinta-feira, 8 de abril de 2021

EXTREMOS

 


Ficar bem.

Ser do bem.

Estar bem.

Bem-estar.

Salve-se quem puder

neste mundo infiltrado de maldades,

insanidades;

extremos indiscutíveis

e desconfortáveis...

Trevas!

Há uma luz além dos confrontos!

Reencontro de seres humanos com a sua consciência de vida.

Ficaremos bem!

 

©rosangelaSgoldoni

08 04 2021

RL T 7 227 326


DORMÊNCIAS

Frio que desperta a insônia, desarruma a cama daquele amor de vez. Destronada a trama, perdeu-se da primavera, não logrou amadurec...