segunda-feira, 25 de maio de 2020

UM OLHAR DE ESPERANÇA



Caminhava...
Não era praia,
circulava no pátio do seu prédio
de onde vislumbrava um resquício de mata.
Observara o coqueiro em seu esplendor,
apesar do outono, 
quase inverno,
naquela manhã um tanto embaçada.
O mistério das suas folhas
meio pendentes,
meio altivas,
eram realçadas
pelo balançar ao sopro
da brisa leve e perfumada.
As maritacas sobrevoavam agitadas,
celebrando o ar puro que as envolvia  
em plena pandemia de vírus
(tempos de gente engaiolada em suas casas).
Ela caminhava,
ia e voltava
no concreto da marcha,
com um olhar de esperança...

©rosangelaSgoldoni
26 05 2020
RL T 6 958 379

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será bem-vindo!

HAJA MATURIDADE! Dia nacional do idoso 27/09

  O tempo avança. As curvas e suas surpresas continuam a me envolver. Linearidades traduzem-se em monótona realidade. Curvas desafiam ...