quarta-feira, 6 de maio de 2020

POEMA CONTAMINADO







Acorda o verso para um mundo pandêmico.
Abre a cortina e descortina uma rua quase sem vida,
algumas idas e vindas pelo trânsito;
carros e ônibus
com suas janelas escancaradas.
O vírus,
liberto das amarras do ar refrigerado,
valsa sem rumo.
O homem,
gaiola e refém de si mesmo,
rende-se aos princípios da biologia
que ousou desrespeitar.
Inversão de valores e posição,
liberdade e prisão em discussão.
Um mundo novo a caminho ou
o descaso natural seguirá seu destino de destruição?
Os versos se organizam
e retornam à cama sem questionar.
Afinal, mais um poema não faz qualquer diferença.

©rosangelaSgoldoni
25 03 2020
RL T 6 939 691

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será bem-vindo!

DORMÊNCIAS

Frio que desperta a insônia, desarruma a cama daquele amor de vez. Destronada a trama, perdeu-se da primavera, não logrou amadurec...