sexta-feira, 1 de novembro de 2019

FINAIS E FINADOS



Passei por algumas perdas doídas e doloridas por algum tempo.
Na certeza da emoção (ou missão) cumprida, ao ritual do sepultamento sobreviveu um sentimento de solidão.
A dor foi se afastando e as lembranças me envolvendo.
Percebi que aquele não era um momento final, mas transcendental e foi se acomodando no meu coração.
Por isso não vivo finados ou flores em sepulturas.
Vivo as presenças e lembranças constantes dos que me foram caros.
Visitamo-nos em sonhos e relembramos os cuidados mútuos de então.
Inevitáveis partidas, inevitáveis reencontros.
E segue a vida, mesmo em finados.

©rosangelaSgoldoni
02 11 2019
RL T 6 785 177

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será bem-vindo!

OBRIGAÇÃO X GENTILEZA

Hoje foi assim: ameaça de chuva e ônibus cheio. Não hesitei. Entrei assim mesmo. Os bancos destinados aos idosos ocupados por jov...