Rascunho versos. Neles, sentimentos.

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

OUTROS CAMINHOS



Vivia no mundo da lua.
Pensava ser astrônoma ou astronauta.
Queria alcançar o céu!
E o céu alcançou por outros caminhos.
Palavras-guia,
versos,
 poesias,
crônicas do dia a dia,
astropassarinhou-se!

©rosangelaSgoldoni
30 09 2016
RL T 5 777 520

RESULTADO DO "II FESTIVAL DE POESIAS E CONTOS DO CLARON"

CENTRO LITERÁRIO E ARTÍSTICO DA REGIÃO OCEÂNICA DE NITERÓI RJ
6º lugar
Poesia para publicação posterior

Do blog do CLARON
RESULTADO DO "II  FESTIVAL DE POESIAS E CONTOS DO CLARON"

PARABÉNS AOS PREMIADOS!



CATEGORIA  POESIA

1º  LUGAR -  MEU NOME É LIBERDADE (Mariângela Tavares)

2º LUGAR -  MINHA  LIBERDADE  (Lenir  Moura)

3º LUGAR -  SEDE  DE  ANIL  (Tânia Ribeiro Roxo)

4º LUGAR -  LIBERDADE (Marly  Prates)

5º LUGAR -  SOLIDARIEDADE (Edna Vasconcelos)

6º LUGAR -  DESALINHO  (Rosângela de Souza Goldoni)

7º LUGAR -  LIBERDADE SOLIDÁRIA (Fátima Corrêa Daniel)

8º LUGAR - SO-LI-DA-RIE-DA-DE (Penha Mª Machado Diegues)

9º LUGAR – SABEDORIA (Shirley Oliveira)

10º LUGAR – PRISÕES ( Levi Alucinação)


CATEGORIA  CONTOS

1º LUGAR -  NÃO SAIRÁ NO JORNAL (Winter Bastos Guedes Jr)

2º LUGAR – NO LIMIAR DA LOUCURA,A LIBERDADE ( Ângela  
                   Cristina Curi Ferreira de Siqueira)

3º LUGAR – AQUELA  SENHORA  (Edna  Vasconcelos)

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

A BRINCADEIRA ACABOU



Previ sua recaída
e ela se concretizou.
No meu momento de vida
lamento, não me tocou!

Foram tantas idas e vindas,
furtivos momentos de amor,
cansei de noites infindas
e dormir só, edredom e cobertor.

A cama já não te espera,
o quarto a chave trancou.
A porta da sala decreta:
a brincadeira acabou.


©rosangelaSgoldoni
20 11 2010

RL T 2 631 383

RESULTADO DO CONCURSO 10 ANOS POEMAS À FLOR DA PELE




“CONCURSO CELEBRAÇÃO 10 ANOS POEMAS À FLOR DA PELE”

Feliz e honrada com a Menção.
Parabéns a todos!
rosangelaSgoldoni

por e-mail:
A Presidente da “Associação Poemas à Flor da Pele”, Soninha Porto, no uso de suas atribuições, informa o resultado do Concurso Celebração 10 Anos Poemas à Flor da Pele”.

RESULTADO FINAL:

1º Lugar: 
Álvaro Luiz Cardoso – Outras Madalenas

Outras Madalenas

Outras Madalenas virão
Arrependidas ou não
Outras Helenas, Ivetes e Marias
Passarão por estas ruas devassas
E serão bebidas nas taças
E serão comidas nas praças
Com sofreguidão.
Outras Madalenas virão
Com suas costas largas
Propícias às descargas da raça.
Enquanto houver desejo, cachaça e grana
Nunca será de graça
Alguém será sacana.
A lascívia exposta como uma fratura
Sorvendo a dor do mundo pela rachadura
Vítima do escárnio da estrutura corrosiva
Do jugo monetário e sua Fúria
Do vício e do asco da Luxúria.
Então, quem atira a primeira pedra?
Então, quem dispõe de uma moeda?
Então, quem vai se coroar “O Impoluto”
Com o estatuto da moral se enfiando
Bem no meio do assunto?
Onde houver Luxúria, Cachaça e Grana
Alguém haverá de ser sacana!
Outras Madalenas virão
Arrependidas ou não
Outras Helenas, Ivetes e Marias
Passarão por estas ruas devassas
E serão bebidas nas taças
E serão comidas nas praças
Com sofreguidão.
Outras Madalenas virão
Outras de outros nexos
Outras Marias, Juremas, Ernestos, Joaquins
Alexias, Rogérias, Blanches e Graças
E serão bebidas nas taças
E serão comidas nas praças
Com sofreguidão


Pseudônimo: Faustino D'León


2º Lugar
Ana Luiza Conceição - A poesia anda solta

A poesia anda solta

A poesia anda solta 
fazendo baderna 
encostada nos muros 
da beira do caís 
Discursa nas praças 
cochicha nos bares 
estampa os jornais 
A poesia anda louca 
fugindo dos poetas 
que a seguem irrequietos
Cansada do tédio 
a poesia quer ... mais!

Pseudônimo: Gaia

3º Lugar: 
Carla De Sà Morais – Esvoaçar
 

Esvoaçar


Verei o mar dos meus terraços

Na chegada das noites tristes ou risonhas
Despir-me-ei em desabafos dos meus segredos
No silêncio das tempestades medonhas
Quando nuvens cinzentas conspirarão enredos
Do romance das cortinas de seda
e do vento que entra sem pedir licença
Aproveitarei esse esvoaçar
para me enrolar no teu corpo doce
Apagarei a dor da convalescença
Renunciarei aos meus cansaços
Para que o amor na noite se esboce



Pseudônimo: china

MENÇÃO HONROSA:

Amélia Luz – E por falar em Maria
Ana Luiza Conceição – Surreal

Arahilda Gomes – Devaneio
Soninha Athayde – Divisão


Jania Souza - Quando pari-se o Poema


​​
Ana Luiza Almeida Ferro – Quando e o Gigante do largo dos amores

rosangelaSgoldoni  Notas de bergamota
Marcia Etelli – A paixão dispara o amor vibra
Gondar – O amor
Tema Moreira – Necessariamente
Ubiratã Soares – Matutino

Elaine Maria Goulart Nunes - Monalisa


terça-feira, 27 de setembro de 2016

FOLHETIM



Entre o vento e o folhetim
há um pernoite de sonhos
em busca de horizontes e suas luzes imaginárias.
O personagem
luta com o seu criador,
fio condutor
 até que o último refletor se apague.

©rosangelaSgoldoni
27 09 2016
RL T 5 774 663

OS CURIOSOS DE INVERNO




Vidros verdes temperados de varanda
reluzem ao sol de primavera.
Flutuação esmeralda,
em meio aos apoios aramados.
Os curiosos de inverno debruçam-se
à procura de flores em meio
ao desbotado das árvores da rua.
Fuligem e cupins embaçam suas visões
Enquanto isso,
o verde esmeralda das suas varandas temperadas
carecem de vasos que traduzam
a natureza primaveril.
Um cachepô vazio mora ao lado.

©rosangelaSgoldoni
25 09 2016
RL T 5 773 857

sábado, 24 de setembro de 2016

DENGO DENGOSO


Dengo dengoso,
escandaloso,
atrevido,
despudorado,
mais que amasso.
Régua e compasso,
minha construção!
Alicerça minha vida,
ponto de partida,
alegria e paixão,

©rosangelaSgoldoni
03 04 2011

RL T 2 887 206

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

AMAZÔNIAS



Esvai-se o rio em húmicos da floresta,
majestade negra,
plenitude  de vida.
Borbulham pirarucus,
pirararas,  bicudas.
O boto cor de rosa
em prosas de socorro
ao encontro dos curiosos.
Ecoa o Solimões.
No encontro das águas,
claro, escuro em paralelas
na passarela das águas do mundo.
O Amazonas segue seu curso ao encontro das pororocas.

©rosangelaSgoldoni
17 09 2016

RL T 5 766 346

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

DOMINGOS MONTAGNER


Imagem: peixe palhaço

Do personagem ao ser,
sabores de viver.
O velho Chico não entendeu.
O grande palhaço fechou-se em tragédia
por entre as  pedras das suas águas.

©rosangelaSgoldoni
16 09 2016
RL T 5 763 331

terça-feira, 13 de setembro de 2016

RIO NEGRO




águas escuras
veio negro na mata
caudalosa sinfonia

©rosangelaSgoldoni
13 09 2016
RL T 5 760 155

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

O QUINTAL DA MINHA INFÂNCIA





Era um pedacinho de terra onde nasciam rabanetes, cenouras, tomates e pimentões.
Jilós que não me agradavam.
Num cantinho de muro bertalhas e suas folhas aveludadas.
Tudo natural, fertilizado com amor.
Roseiras, laranjas da terra,
salsa e cebolinha,
pimenteiras e abobrinhas.
Havia uma parreira espremida numa quina de terra.
Resistia bravamente.
Uvas pequeninas, um tanto ácidas, sugeriam o impossível das cerejas.
No cimentado, um galinheiro com poedeiras e um pinteiro ao lado.
Era tão pouco,
era sustento
nas mãos calejadas de vida do meu pai.

©rosangelaSgoldoni
29 08 2016

RL T 5 755 026

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

BOULEVARD OLÍMPICO RIO DE JANEIRO 2016 (Fotos) COM MURAIS DO KOBRA


























DESORIENTADA


Sentia-me perdida!
Quase desorientada.
Não sabia o que faria
pós rompimento acertado.

Acreditei num interruptor:
bastaria apagar a luz!
Querendo me recompor
enterrei-me tal avestruz!

Mas não era  nó, era laço,
amassado em total frouxidão:
percebi em tempo de agir.

Do laço fiz desenlaço,
a tristeza larguei de mão,
refiz-me na escuridão.

©rosangelaSgoldoni
13 10 2010

RL T 2 670 674

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

CINDERELA DESENCANTADA



Educada para ser boazinha,
falar baixo,
dizer obrigado,
resguardava-se  para “o sempre” nos braços de um
príncipe encantado.
Esperou,
esperava...
Ressabiada,
deu-se conta de que ser princesa não tinha graça.
Desencantou-se Cinderela
à meia noite de um baile qualquer.
Redescobriu-se mulher.

©rosangelaSgoldoni
01 09 2016
RL T 5 748 633