Rascunho versos. Neles, sentimentos.

sábado, 28 de maio de 2016

RESGUARDO DE AMOR (Um Grito de Dor)




Marcou cada uma de nós:
Marias,
Joanas,
Anas,
Fátimas,
Marianas...
Quase santas,
apenas mulheres que sangram e
acreditam que longe ficou a Idade Média.
Comédia de horrores que se renova no contemporâneo dos dias.
Aqui, acolá,
ou qualquer lugar,
útero vida,
resguardo de amor.
Corpos e almas
postulam respeito.

©rosangelaSgoldoni
28 05 2016
SMM
RL T 5 649 773

©rosangelaSgoldoni
03 03 2011

RL T 2 837 677
Publicado na Coletânea "A Arte de Ser Muher Poesia Feminina"
2016 Rio de Janeiro
Rede Mídia Sem Fronteira

quarta-feira, 25 de maio de 2016

O DESTINO DAS FLORES




Flores, 
mesmo embrutecidas pelas agressões da natureza, 
não abandonam o seu destino.
Seguem a florir.

©rosangelaSgoldoni
25 05 2016
RL T 5 646 749

segunda-feira, 23 de maio de 2016

COBRA CRIADA




Sou assim: 
meu bicho, meio gente,
atrevida e envergonhada.

Mas quando o momento exige
viro cobra criada.

rosangelaSgoldoni
29 01 2011

RL T 2760556

domingo, 22 de maio de 2016

SORRISO DISCRETO







Planava em busca das suas verdades
pois as inverdades sorriam incontestes.
Precisava livrar-se do peso das armaduras
que o protegiam no dia a dia.
Deixou-se levar pelo vento
atento às coisas do céu e da terra,
(in)finito cinza ou azul firmamento.
Despiu-se dos fardos inúteis,
acordou imune
às tolices e insanidades.
Um segredo discreto escorria entre os lábios.
Sorriu!
 
Rogoldoni
22 05 2016
RL T 5 643 918

sexta-feira, 20 de maio de 2016

MIADOS E RONRONS



Cala-se a noite.
A lua,
do alto dos sonhos,
percorre telhados.
Gatos ziguizagueiam ao som de suas vidas:
sete caminhos,
sete miados de amor,
chiados e ronrons.
O poeta,
emocional natureza,
sete cores,
beija estrelas
e
sonha com amores passados,
apenas rascunhados,
sem pretensões de passá-los a limpo.
Vida escoada nos limites destes versos.
Um novo poema o espera além do escrito.

©rosangelaSgoldoni
31 01 2016
RL T 5 641 898

terça-feira, 17 de maio de 2016

PERSEGUIÇÃO






Busco a claridade obsessivamente,
quase uma perseguição,
preciso clarear a mente,
problemas me perseguem em profusão.

São tristes meus dias e evidências,
atestam a minha solidão.
Eu quero a luz da Providência,
a paz e energia em combustão.

Meus sonhos tornar-se-ão realidade,
da minha vida retomarei a direção,
ela, a Luz, tranquiladade,
a chama que persigo, na fé e na razão.

©rosangelaSgoldoni
27 01 2011

RL T 2 754 744

segunda-feira, 16 de maio de 2016

TRANSPARÊNCIA DE VIDA



Partiu-se em cacos,
coloridos pedaços
espalhados pelo chão.
Não se deu por vencida,
recompôs-se vitral
 em catedrais góticas.
Transparência e Luz!

©rosangelaSgoldoni
15 05 2016
RL T 5 637 494

Publicado na Antologia Poemas à Flor da Pele, 
volume 10, 2016, Porto Alegre

quinta-feira, 12 de maio de 2016

CUIDADOS DESNECESSÁRIO




Teima
o tempo
em
cuidados,
agora
desnecessários,
diante de fatos
irretocáveis.
Longe
vai
o
encanto
que
subverteu
o
imaginário.
A realidade ergue uma taça à sensatez !

©rosangelaSgoldoni
12 05 2016

TL T 5 633 978

sábado, 7 de maio de 2016

MÃE, PROTECÃO E LIBERDADE


Senso de humor,
de amor;
proteção e
liberdade.
Versos que aleitam sua cria
ou trazem agonia
nas asas da madrugada.
O tempo escorre furtivo,
adulto,
outro ninho,
netos em revoada.
Mãe, eterno útero que sangra!

rosangelaSgoldoni
07 05 2016
RL T 5 628 137

terça-feira, 3 de maio de 2016

FLORES DE CONCRETO



Urbanas divagações,
noturnas sensações de
invasão de privacidade.
Janelas nas minhas janelas;
varandas,  telas e grades;
carbônicas derrapagens
afluem aos ouvidos e narinas.
Ouço rojões,
festa e balões?
Um pisca-pisca
reflete na minha sala.
Já não consigo distinguir ambulâncias e viaturas.
Loucura?
Aves de rapina nos espreitam a cada esquina,
calçada,
forquilhas.
Ó criatura urbana,
segue tua sina,
ora e clama ao Senhor
por ti, pela família,
 pela urbe ultrajada.
Há que se plantar esperança em meio ao concreto armado.

©rosangelaSgoldoni
03 05 2016
RL T 5 624 463