Rascunho versos. Neles, sentimentos.

sábado, 30 de janeiro de 2016

IMPRESSÕES METAFÓRICAS II




Orbitando palavras
capturo poemas
que me sinalizam do etéreo.
Recobertas de mistérios
não me permitem aleivosias.
Embora submersos em tramas anárquicas,
filosofias não me elucidam os impulsos,
quase frenéticos,
no desenlace dos versos em gestação.

Minhas incertezas continuam evidentes:
um constante processo de investigação.

Publicado em Fiapos de Lucidez, 2014, 
Editora Somar

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

ONTEM E HOJE





paixão antiga
chuviscos de saudades
luz e bom tempo

©rosangelaSgoldoni
23 01 2016

RL T 5 524 315

domingo, 24 de janeiro de 2016

TEMPESTADES



Algodão tingido de chumbo
fez-se noite o que era tarde:
claridade
vestiu-se em luto.
Nuvens riscadas pela fúria dos deuses,
lasers
ofuscando a visão.
Cortina de chuva embaça o horizonte.
Gaia desperta
dispersa o negrume,
refaz-se o lume,
celebração.
Vida que continua!

©rosangelaSgoldoni
20 01 2016

RL T 5 521 071

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

JOGO DE MEMÓRIA



Fosse para sempre,
não seria.
Fosse para depois,
não adiantou.
Um jogo de memória,
peças aleatórias.
Fosse bicho, fosse gente,
descrentes.
O agora no ontem
foi tudo o que restou.

©rosangelaSgoldoni
21 12 2015
RL T 5 517 724
Publicado na Antologia Poetas Fazendo Artes "nas Gerais", 2016, organização Sonia Imamura, Editora Delicatta

RÁDIO SOCIAL



Início de madrugada sem luz. Deito-me lamentando as impossibilidades da internet.
Lembro-me do radinho de pilha ganho por minha filha num troca-troca de amigo oculto há uns dois anos. Pouca utilidade para uma jovem que preferiu deixá-lo comigo, aqui, no interior.
Naquele momento entendi que seria a única forma de me sintonizar com o mundo lá fora.
Ligo, estendo a antena e passeio por algumas emissoras.
Fixo-me numa de grande alcance nacional.  
Voz empostada de um verdadeiro comunicador. 
Ouvintes de todo o Brasil.
Entre uma música e outra (a gosto do ouvinte), notícias.
Mas o fundo principal era a solidão.
Tanto falam a respeito da exposição das redes sociais, impressionei-me com a exposição na rádio social ao vivo ou facilitado pela modernidade do WatsApp. Senhores e senhoras, nomes, telefones, endereços, procurando companheiros ou companhia.
- “Só um senhor me ligou. Tenho a minha casinha, sou aposentada, tão sozinha...” ou
- “Vou deixar meu número outra vez, quem sabe uma senhora entre em contato...”
Entendi que o rádio integra uma grande rede social que vai além da informação.
Sentia-me embalada pelas ondas eletromagnéticas que circulam pelos céus do Brasil.
Busquei papel e  lápis.  Comecei a escrever.
A luz voltou.
Desliguei o rádio, terminei no note, afinal minha antena rural voltara a funcionar.

©rosangelaSgoldoni
21 01 2016
RL T 5 518 203

domingo, 17 de janeiro de 2016

CONSONÂNCIAS E NATUREZA





Inquieta-se a mata.
Tardinha de verão.
Burburinhos se aconchegam de mansinho.
Cigarras afinam o diapasão,
libertam suas cordas!
Vocais em consonância
c’ os rituais da natureza.
Aquietam-se quando os bichos acordam seus instintos
no escuro da noite.
A festa embala-se
até que o último vaga-lume apague sua luz.
Brilha o sol!

©rosangelaSgoldoni
15 02 2016
TF SMM

RL T 5 514 137

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

SE EU NÃO TE AMASSE TANTO ASSIM




Não sentiria saudade
a reclamar tua ausência
com tamanha impertinência
reconhecendo a verdade,
com grande sinceridade,
por mais que doesse em mim.
Coração tal tamborim
-tamanha banalidade -
contrita afetividade
se eu não te amasse tanto assim!

©rosangelaSgoldoni
01 07 2008
RL T 2 440 587

VENTOS E ESTAÇÕES



vento nublado de verão
amoreira desnuda-se
ensaio de outono.

©rosangelaSgoldoni
12 01 2016
RL T 5 509 245

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

MELHOR ASSIM...



Ainda ouvia seu grito:
- Volta, não faz isso comigo!
Fez!
Apesar da ferida aberta no peito
partiu sem nada dizer.
Não fazia mais sentido
um amor rimado com(n)doído.
Buscou sentido nos seus sentidos.
Conformou-se quando se convenceu:
coisas de vidas passadas.
Acreditou ser melhor assim!

©rosangelaSgoldoni
10 01 2016

RL T 5 506 968

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

EL NIÑO




Sol de janeiro,
verão destemperado,
niño de calor.

©rosangelaSgoldoni
08 01 2016
RL T 5 504 676

CONJUGANDO O AMOR




Vim...
Você veio...
(puro anseio!)

Ações indicativas num momento casual,
apesar dos subjuntivos que conjungam nossas vidas.

Condicional subvertido atemporal.

Agora é particípio,
o passado convertido
em realidade factual.



Rogoldoni
29 04 2010
revisado em 
08 01 2016

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

UMA BUSCA NA MULTIDÃO



Procuro minha alegria.
Onde foi que se perdeu?
Não a encontro no dia a dia,
de mim, será, se esqueceu?

No esconde-esconde da vida
(brincadeira da qual abro mão),
a tristeza me faz companhia,
apesar da total rejeição.

Mas hoje saio à procura,
cansei da hibernação,
ciranda onde reina a aventura,
uma busca na multidão.

©rosangelaSgoldoni
09 12 2010

RL T 2 665 231

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

NEM TUDO QUE RELUZ É LOURO



Brilhos
a distorcer imagens
desencontradas
da realidade.
Claridade
a retrair pupilas,
vidas folheadas a ouro.
Sorrisos reveladores
no íntimo vertedouro da fantasia.

Nem tudo que reluz é louro!

©rosangelaSgoldoni
04 01 2016
RL T 5 500 600

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

CORDEL E REPENTE


Imagem: Diego Cabral em Wikipedia




Sob a forma de cordel,
escrever me apatece,
mas não sou menestrel
e raramente acontece.

A poesia do povo
apresenta diversidade
que dela se aproveita
para dizer a verdade.

Assim aplaudo o poeta
que dele se utiliza,
viva o cordel e o repente
que a história humaniza.


©rosangelaSgoldoni
23 01 2009
RL T 2 479 134

sábado, 2 de janeiro de 2016

AMIZADE CHICLETE



Crianças predestinadas.
Amizade selada na goma de um sapoti:
olho colado, tiro certeiro
no recreio.
- Ao farmacêutico!
Boricadas aplicações
e o mundo coloriu-se outa vez.
Amizade chiclete,
sabor sapoti,
enquanto
a vida nos sorrir.

©rosangelaSgoldoni
25 12 2015
RL T 5 498 371
Ao meu amigo que não perdeu a fé