Rascunho versos. Neles, sentimentos.

quarta-feira, 29 de julho de 2015

LUA CHEIA NA JANELA DO MEU QUARTO





Não quero da lua cheia
lembranças e lamentos.
Que não me suscite dúvidas
ou quaisquer ressentimentos.
Dela só quero a luz
que me envolve e imobiliza,
Quero todo o seu mistério
e sua beleza divina
Não quero lembrar-me de alguém
que não mereceu minha estima.

©rosangelaSgoldoni
25 08 2010
RL T 2 705 508

terça-feira, 28 de julho de 2015

MEU PRIMEIRO VERSO




Vai tão longe, tão longe que me perco,
não acesso os caminhos da memória.
Meu verso, do primeiro, não me lembro,
apesar de fazer parte da minha história.

As letras me atraíram muito cedo.
Lia tudo que pudesse alcançar;
escrevi tanto, tanto, que me esqueço,
resolvi assumir e m'esforçar.

Hoje, sem papel, eu não resisto,
busco nem que seja um guardanapo,
rabisco a idéia em pedaços.

A trajetória do poema é traçada,
certamente, um dia resgatada,
e a poesia, como flor, brotará.

©rosangelaSgoldoni
16 12 2010

RL T 2 676 538

QUASE UM POEMA DE AMOR



Havia um quê de desconforto.
Não que fosse indigesto,
funesto ou
perturbador.
Apenas um verso sem pé nem cabeça,
quebrado,
predestinado a engessar um poema de amor.
A inspiração partiu sem dizer adeus.

©rosangelaSgoldoni
26 06 2015
SMM
RL T 5 326 935

domingo, 26 de julho de 2015

À PORTA DO CIRCO



E o dia chegou
com propósitos de esperança.
Acreditou!
Pensou igualdade,
legalidade,
um prato na mesa...
Desempregou!
Saúde, família
cuidados, vacinas,
o posto vazio...
Decepcionou!
Crianças, escolas,
merenda na hora,
mestres mestrando,
aluno estudando...
Desencantou!
Sonhou segurança,
festivas andanças,
avenidas, calçadas,
adeus cadeados...

Pobre palhaço!
Sentou-se à porta do Circo do Dia a Dia...
Chorou!

©rosangelaSgoldoni
07 06 2015
RL T 5 324 634

sexta-feira, 24 de julho de 2015

FILHOS



Filhos,
abençoada por tê-los!
Só quem os têm pode sabê-lo!
Viva Vinícius!


©rosangelaSgoldoni
24 07 2015
RL T 5 322 733


quarta-feira, 22 de julho de 2015

AURORA DAS ROSAS





Plantei-me rosa num canto do jardim.
Brotei em meio a azaleias, jasmins,
begônias e margaridas.
Protegida pela energia de Flora,
recolhi meus espinhos,
entreguei-me ao carinho
do vento em mansidão.
Desperto na aurora
dos sonhos,
orvalho em pespontos
de renovada inspiração.

©rosangelaSgoldoni
23 07 2015
RL T 5 320 239

segunda-feira, 20 de julho de 2015

ACADEMIA VIRTUAL DE POETAS DA LÍNGUA PORtuGUESA

Dipomação e Posse:  18 07 2015

Patrona: Martha Medeiros












VOO DE MATURIDADE



A juventude passou distraída.
Sentia-se confortável
acolhida nos braços da eternidade.
Despertou maturidade
atrelada a alguns esboços e projetos.
Seu olhar ainda se traduzia
em feixes de curiosidade.
Antes que se perdesse do tempo,
entregou-se ao vento das possibilidades.

Reencontrou-se em horizontes sem limites.

©rosangelaSgoldoni
20 07 2015

RL T 5 317 675

AMIGO II




Amigos do peito,
amigos de fé,
estar com vocês
me mantém de pé.

Amigos reais,
de faces ocultas,
amigos leais
carinho resulta.

Amigos de agora,
amigos de outrora,
eu não me importo
caso vão embora.

O mais importante
é que houve troca!

rosangelaSgoldoni
07 09 2010

R T 2 482 957

sexta-feira, 17 de julho de 2015

AMARELINHA NO CÉU (Poema Visual)




RL T 5 314 634

UM GOLE DE CAFÉ




O não querer se impôs
ao sobressalto do inesperado.
Fato consumado
pelas certezas das tuas incertezas.
Ciladas do bem querer em cerca viva de malmequer.
Maroto,
desgosto,
apenas um corpo
e
um gosto que
se dilui ao
primeiro gole de café.


©rosangelaSgoldoni
20 11 2014
RL T 5 314 514

segunda-feira, 13 de julho de 2015

VERSOS E GIRASSÓIS




Senhor
da
razão,
embalou
o poema
sem  os cuidados
do  amor.
Laços
amarrotados,
fragilizados
romperam-se
ao
amanhecer.

Versos,
descoloridos de sentimentos,
partiram em busca
de girassóis vangoguianos.

©rosangelaSgoldoni
13 07 2015
RL T 5 310 099

sábado, 11 de julho de 2015

NAVEGO! MEU RUMO NÃO TRAÇO.


Seja vinho ou Campari,
as vezes preciso de um baque.

Não falo embriaguez:
não me perco em insensatez.

Mas de uma certa leveza
que faz rodar a cabeça.

Então me sinto num barco,
navego , meu rumo não traço.

Deixando a vida correr,
não há mais tempo a perder.

Rogoldoni
29 01 2011

RL T 2 759 953

sexta-feira, 10 de julho de 2015

DESTINO



Ah!
Se o destino por troça
me oferecesse uma rosa
pelas mãos de um trovador...
Cantigas e melodias
à “vihuela de mano”
não me soariam estranhas
aos ouvidos.

Ávida de novidades,
dou ares de brevidade ao sonho.

Ah!
Se acreditasse em destino...

©rosangelaSgoldoni
14 01 2015
RL T 5 306 880

quarta-feira, 8 de julho de 2015

SEM PRAZO DE VALIDADE





Desisti das rimas pobres de amores.
Quero
a festa dos
licores,
sabores,
suores,
sussurros vorazes
sem prazos de validade
ou relógios a tiquetaquear.

A realidade em meus poros,
hera a recobrir nossos corpos
em simbiose de amor.

Devaneios!

©rosangelaSgoldoni
19 08 2014
RL T 5 304 195
Publicado em
 http://confrariadaleitura.wix.com/pinheironeto#!Da-Série-Poetas-Mulheres-13/cu6k/55ceb0ac0cf2b503a1a485ed

terça-feira, 7 de julho de 2015

VINHOS & AROMAS



Vinho
[a profanar artérias]
alimenta o sangue
[no circular dos versos]
ao aromatizar-se poesia.
Ruborizam-se
as faces descoradas
[embriagadas]
insensatez [con]sentida
pós-escrivaninha.

©rosangelaSgoldoni

21 06 2014
pubicado em 
Fiapos de Lucidez

sábado, 4 de julho de 2015

RECORTES DE VIDA




Um breve sopro,
suspiro,
lampejo;
realejo da sorte,
recorte
de vida
que gira;
ponteiros
invertidos
reversão de caminhos,
destinos,
ao sabor
das impossibilidades
preestabelecidas
à revelia
do coração.

Atrevo-me!

©rosangelaSgoldoni
06 05 2015
RL T 5 299 992