Rascunho versos. Neles, sentimentos.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

SÓ SEI QUE EMBARQUEI








SÓ SEI QUE EMBARQUEI

Deixei-me levar pela sua conversa:
vai ser diferente!
Apaixonada ou entusiasmada,
não sei,
só sei que embarquei.
Um barco à deriva
era o que pressentia.
Mas, assumo,
concordei.
Pressentimento confirmado,
mas,
enquanto navegávamos,
nossas aventuras
ferviam num mar escaldante,
temperado a nosso gosto
com promessas delirantes.


Navegar é risco,
arriscar é preciso
em casos de amores indefinidos!

©rosangelaSgoldoni
28 01 2012
RL T 3 470 550



DEI A VOLTA POR CIMA





Por você fiz mil versos,
ensaiei elegias,
desafiei o incerto,
projetei fantasias.

Só colhi revertérios

na penumbra da vida.
Reuni seus mistérios,
transformei-os em cinzas:

Dei a volta por cima!


©rosangelaSgoldoni
07 05 2011
RL T 3 955 146

Publicada na Antologia Mulheres Fascinantes, volume II

2012  Editora Delicatta SP

domingo, 29 de janeiro de 2012

CHOVE II




Chuva
Chuvisco?
Chuvão!
Cheia
Chorar
Choupana
Chafurdar
Chorumelas
Chouseiras
Chateação!



©rosangelaSgoldoni
29 01 2012
RL T 3 469 194

sábado, 28 de janeiro de 2012

SE HOUVER AMANHÃ


Imagem: John Jude Palencar


A vida não nos fornece aval ou fiança.
Quebra e risco, por nossa conta,
sem direito a apólice.
Comodidade?
Algo além da verdade?
Faça um seguro.
Mas só você é responsável
pelo seu hoje e seu amanhã,
se amanhã houver!

©rosangelaSgoldoni
29 01 2012
RL T 3 467 817

ABALO SÍSMICO-EMOCIONAL


Imagem: Alex Alemany




Descortino a janela dos meus sonhos.

Antevejo nuvens de temporal;

nosso breve reencontro anuncia

um grande abalo sísmico-emocional!


Tremores internos e externos,

corpos tectônicos em abrasão,

quem sobreviverá a tais revertérios

sem que veja maltratado o coração?



Sucumbir não faz parte dos meus planos;

os seus, nunca os levei a sério.

Que tenhamos bom senso e equíbrio

para que não nos percamos no deserto

das emoções imprevisíveis e seus mistérios.


©rosangelaSgoldoni
26 01 2012
RL T 3 467 555

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

ESPERANÇA











A esperança é uma chama que arde enquanto a solução não vem.

Alimenta o infortúnio, confortando expectativas que estão além de nossas posibilidades.


©rosangelaSgoldoni
27 01 2012
T 3 465 127

Imagem: Sonia Verdu

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

MOÇO BONITO







Um primeiro olhar aconteceu.
E o tempo passou...
No segundo você flertou,
esperanças acalentou!

Foi chegando de mansinho
e um carinho ensaiou.
Mas também saiu  com jeitinho:
só uma lembrança deixou.

Como tudo é aprendizado,
sejam erros ou fracassos,
não ligo para o presente -
- já que o futuro é ausente.

Moço bonito, me respeite!
Tenha dó, estou carente,
não brinque comigo não!

Aceito um laço de fita,
uma foto bem bonita,
só não quero aperto de mão!

É melhor, não se aproxime,
não quero voltar a ser triste,
cansada de enganos estou!


©rosangelaSgoldoni
07 02 2009
RL T 2 553 521




O BALANÇO DO MAR



Ondas que vão e vem
embalam meus pensamentos,
dispersos em versos sem nexo,
confundem meus sentimentos.

Ondas que vem e vão
transportam-me à realidade,
o poema encontra sua forma
e eu, pluralidade:

na dicotomía do ser
extasiado frente a paisagem.

©rosangelaSgoldoni
04 01 2012
RL T 3 463 146
Imagem: trisha lambi

PESADELO NA CINELÂNDIA


 Um desabamento atingiu pelo menos dois prédios no Centro do Rio, na altura da Avenida Treze de Maio
no dia 25.01.2012


Mães, quando os filhos saem de casa, costumam dizer:
- Vai com Deus!
Ontem mesmo, minha filha, voltou para casa e a frase contumaz se fez presente.
Com uma bigorna sobre o peito, aguardava o “cheguei bem”, e chegou!
Amém!
À noite, pesadelo na Cinelância, centro nervoso do Rio de Janeiro.
Desesperados escancarados, chocados, empoeirados desfilavam na TV.
Eu tentava entender!
A mãe que procurava a filha (num dos prédios trabalhava e estudava), e o celular que não atendia. Impossível quantificar desespero, esperança, lucidez!
Ainda não sei se esta filha sobreviveu, mas, certamente, a mãe envelheceu.
Que possa, em algum momento, recobrar o discernimento e aceitar o desfecho.
Não minimizo a dor dos demais: outros tantos em confronto com o pesadelo.


Culpas e culpados ficam para depois.
Agora,
voltem todos para casa,
com DEUS!
Que assim seja!

©rosangelaSgoldoni
26 01 2012
RL T 3 463 019

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

AUTO-EXORCISMO



Sou uma quando estou aqui.
Transmuto-me quando chego lá.
Diferem os humores e as realidades.
Antagônicas geografias
das minhas idas e vindas,
quem sabe, identidades:
Tumultuados sensores
X
Paz e tranqüilidade!
O ritual de chegada, um auto-exorcismo:
dispo-me do negativo e da pele enrugada,
o brilho da tez
pode ser atestada.
Mas deixo em suspenso a rota traçada,
segredos que guardo com a alma lavada.

©rosangelaSgoldoni
19 01 2012
RL T 3 462 077

COMO NÃO TRANSFORMÁ-LO EM POEMA?

Tela Selma Nunes

 
Como não aplaudir?
Como não reverenciar sua imponência?
Como não transformá-lo em poema?
Abençoada fonte de vida e energía,
estrela central de um sistema,
esfera quase perfeita.
Sol,
Astro-Rei e sua coroa mutante.
Alimenta-nos com seu abraço envolvente,
e quando se vai,
o faz em grande estilo,
pois sabe que amanhã
será novamente aplaudido.

©rosangelaSgoldoni
25 01 2012
RL T 3 460 760

domingo, 22 de janeiro de 2012

LUA ESPARRAMADA


Há dias em que a lua 
cheia de atrevimento,
sequer pede licença:
invade minha varanda,
esparrama-se pelo chão.

Observo, ali, parada,
completamente extasiada,
relembro a velha canção:
mas “de rondas”, hoje não!

Tento costurar versos:
uso as linhas do horizonte.
Os pontos se dispersam
à cata de uma nebulosa,
aquelas, de reflexão.

O poema um tanto assustado,
recolhe-se ensimesmado,
recluso-me sem inspiração.
Quem sabe, amanhã, um bordado,
com alguns raios prateados,
respinguem das minhas mãos.


©rosangelaSgoldoni
23 01 2012
RL T 3 456 220











sábado, 21 de janeiro de 2012

SILÊNCIOS




Cuidado com o silêncio excessivo. Muitas vezes é bem-vindo.
Mas não o transforme em omissão: covardia por opção.

©rosangelaSgoldoni

21 01 2012
RL T 3 453 498



sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

CAMINHOS II




Lamento
sua
falta
de
discernimento!
Em
Tempo:
Não
Tente
Me
Desnortear!
Aprendi
O
Caminho
E
Meus
Passos
Conduzem-me
Com
Segurança
Somente
Onde
Quero
Chegar.

©rosangelaSgoldoni
21 01 2012
RL T 3 452 666



FAXINA COMO ROTINA








Mágoa não guardo em meu peito,

por mais esfarrapado e insatisfeito.

Onde reside meu coração

a faxina é rotina:

água limpa e esfregão,

aromatizante de plantão!

Às vezes, por insuficiente,

um produto mais potente

resolve o impasse:

um detergente da marca

PERDÃO!

Sei que você desconhece

o que estou a escrever,

suas atitudes conferem

atestados de mal proceder.

Assim, para me reconquistar,

há que se reeducar

nos bancos da emoção:

eu professora atenta,

você, discípulo, por opção.



©rosangelaSgoldoni
20 01 2012
RL T 3 451 770